Jornal Médico Grande Público

Rearranjo de cromossomas pode ser benéfico
DATA
10/09/2013 08:51:34
AUTOR
Jornal Médico
Rearranjo de cromossomas pode ser benéfico

O estudo, agora divulgado, contribui para uma melhor compreensão de diferentes problemas biológicos, entre os quais o modo como células cancerígenas que têm rearranjos cromossómicos podem crescer mais do que células normais, ou como organismos que estão no mesmo local físico podem evoluir para originar espécies distintas

"Podemos agora inferir como as células cancerígenas, com rearranjos cromossómicos, conseguem adaptar-se e crescer mais depressa do que as células normais; como pessoas com diferentes cromossomas podem ter problemas de infertilidade sem se aperceberem disso; e como estes rearranjos cromossómicos podem ser mantidos na população sem serem eliminados. E novas questões surgem com este trabalho. Como os rearranjos cromossómicos ocorrem espontaneamente na natureza, poderão ser o passo inicial que leva à origem de novas espécies?", pergunta Miguel Godinho Ferreira, que liderou a equipa. 

Versão integral apenas disponível na edição impressa 

Um estudo pioneiro publicado no último número da revista científica Nature Communications, conduzido por uma equipa de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) liderada por Miguel Godinho Ferreira (coordenador do Grupo do Cancro) em colaboração com Isabel Gordo (coordenadora do grupo de evolução em biologia) mostra, pela primeira vez, que rearranjos nos cromossomas (tais como inversões ou translocações) podem ser vantajosos para as células que os possuem, dependendo do ambiente ao qual estão expostas. Este estudo contribui para uma melhor compreensão de diferentes problemas biológicos, entre os quais o modo como células cancerígenas que têm rearranjos cromossómicos podem crescer mais do que células normais, ou como organismos que estão no mesmo local físico podem evoluir para originar espécies distintas.

Os rearranjos cromossómicos consistem em partes de um cromossoma que são recolocadas noutra região do mesmo cromossoma ou de um diferente. Frequentemente este tipo de mutações encontra-se em células cancerígenas, mas também existem em indivíduos que não apresentam nenhuma doença conhecida. O impacto que os rearranjos cromossómicos têm na sua capacidade para sobreviver e reproduzir-se, era até agora desconhecido. A equipa de Miguel Godinho Ferreira propôs-se a clarificar esta questão.

Usando como organismo modelo a levedura Schizosaccharomyces pombe (S. pombe), a equipa de investigação observou que os rearranjos cromossómicos ocorrem naturalmente em populações de levedura. Para investigar melhor os efeitos destas mutações no crescimento das leveduras, construíram estirpes de leveduras com segmentos de cromossomas localizados em diferentes regiões, sem no entanto interromper a expressão de nenhum gene e assim manter o mesmo código genético.

Surpreendentemente, embora contendo exatamente a mesma informação genética que a levedura normal, as estirpes mutantes apresentavam diferentes capacidades de crescimento, mostrando que alguns rearranjos cromossómicos são benéficos enquanto outros são prejudiciais. Para além disso, quando se altera o ambiente de crescimento, os rearranjos aparentemente prejudiciais podiam tornar-se benéficos, favorecendo o crescimento daquela estirpe em relação às restantes. Com base nas observações obtidas, a equipa de investigação propôs que as estruturas cromossómicas são "talhadas" pela seleção natural para um determinado ambiente.

Mas por que é que as estirpes mutantes com a mesma sequência de ADN e genes se comportam de maneira tão diferente? Os investigadores observaram que a ativação e expressão dos genes diverge nas diferentes estirpes, o que só pode resultar da nova localização dos genes face ao rearranjo dos cromossomas.

Ana Teresa Avelar, primeira autora do artigo, diz: "As nossas estirpes de levedura com variantes cromossómicas têm exatamente a mesma sequência de ADN. Nós apenas mudámos a localização das sequências dos cromossomas. Deste modo, as nossas experiências mostram pela primeira vez os efeitos originados por alterações na arquitetura dos cromossomas."

Miguel Godinho Ferreira, acrescenta: "Podemos agora inferir como as células cancerígenas, com rearranjos cromossómicos, conseguem adaptar-se e crescer mais depressa do que as células normais; como pessoas com diferentes cromossomas podem ter problemas de infertilidade sem se aperceberem disso; e como estes rearranjos cromossómicos podem ser mantidos na população sem serem eliminados. E novas questões surgem com este trabalho. Como os rearranjos cromossómicos ocorrem espontaneamente na natureza, poderão ser o passo inicial que leva à origem de novas espécies?"

O trabalho foi financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e pelo Howard Hughes Medical Institute, dos EUA.

 

Saúde Pública

news events box

Mais lidas

1
6
1