Jornal Médico Grande Público

Vinte anos de sucesso em transplantes hepáticos pediátricos
DATA
14/02/2014 12:08:55
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Vinte anos de sucesso em transplantes hepáticos pediátricos

cirurgia_transplanteA transplantação hepática pediátrica em Coimbra realizou em 20 anos 199 transplantes em 176 crianças, apresentando uma taxa de sobrevida de 85 por cento a longo prazo, disse à Lusa o coordenador da unidade.

A transplantação hepática pediátrica, em Coimbra, assinala sábado 20 anos de existência com a realização de uma gala.

Segundo o coordenador da Unidade de Transplantes Hepáticos Pediátricos e de Adultos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), Emanuel Furtado, filho de Linhares Furtado, médico que realizou o primeiro transplante hepático em Coimbra, esta tem sido uma “experiência bem-sucedida”.

“Vinte anos depois, esta tem sido uma experiência bem-sucedida e neste momento não temos praticamente crianças em lista. Podemos orgulhar-nos dos resultados alcançados”, disse Emanuel Furtado, em declarações à agência Lusa.

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e a Associação Nacional das Crianças e Jovens Transplantados ou com Doenças Hepáticas (Hepaturix) realizam no sábado esta gala de comemoração dos 20 anos de transplantação hepática em Portugal e homenageiam Linhares Furtado, Emanuel Furtado, Isabel Gonçalves e Ana Maria Calvão da Silva. O livro “Maria e Boneca Mimi”, da autoria de Margarida Castelão Dias, será apresentado na mesma gala.

Emanuel Furtado disse também à agência Lusa que a melhoria das condições gerais, na Saúde, tem reduzido o número de crianças obrigadas a transplantes e explicou que a forma de ajudar a compensar esta redução será através da colaboração com os países de língua oficial portuguesa. “Já recebemos crianças de outros países e queremos continuar a fazê-lo”, explicou.

O cirurgião disse ainda ser “inatingível” conseguir uma taxa de sobrevida de 100%, embora esse seja, naturalmente, o desejo do clínico e recordou que, embora seja muito “mais violento” tratar uma criança do que um adulto, a satisfação que gera o sucesso, posteriormente, “é proporcionalmente maior”.

Isabel Gonçalves, que esteve na origem deste centro nacional de transplante hepático pediátrico – as crianças com necessidades de transplantação são todas reencaminhadas para Coimbra -, embora não tenha colaborado fisicamente na primeira intervenção, em 1994, diz que a organização “melhorou bastante” nos últimos anos e também reconheceu que os países africanos de língua oficial portuguesa são uma forma de contornar a redução assumida por Furtado.

O “desafio da próxima década”, salientou Isabel Gonçalves, “são as crianças de África”.

“Ainda somos uma área relativamente nova em Portugal e sentimos, por isso, alguma dificuldade para que se percebam as nossas necessidades, que têm um ‘timing’ e uma validade específicas”, considerou.

 

 

Saúde Pública

news events box

Mais lidas

4