Jornal Médico Grande Público

Hepatite C: Governo reconhece problemas no acesso dos reclusos aos tratamentos
DATA
01/08/2017 12:47:00
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Hepatite C: Governo reconhece problemas no acesso dos reclusos aos tratamentos

O secretário de Estado adjunto e da Saúde reconheceu que os presos não têm tido o mesmo acesso que o resto da população aos tratamentos contra a hepatite C, uma situação que conta inverter com protocolos de cooperação ontem assinados.

Fernando Araújo falava aos jornalistas no final de uma visita ao Hospital Prisional São João de Deus, em Caxias, para acompanhar as condições de aplicação de um despacho conjunto que visa melhorar o acesso da população reclusa, jovem e adulta, ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) em condições de igualdade dos demais cidadãos. 

No final desta visita, Fernando Araújo afirmou que a população reclusa “nem sempre tem tido as mesmas igualdades” de acesso, apesar dos seus “problemas específicos, como ao nível da saúde mental, infeções víricas, entre outras, e nos quais compete à Saúde, em articulação com a Justiça, encontrar soluções adequadas”.

De acordo com os protocolos ontem assinados, os profissionais de saúde dos hospitais de referência das prisões irão deslocar-se a estas instituições para administrar os tratamentos, nomeadamente ao nível das infeções víricas.

A população reclusa é um dos focos da estratégia contra a hepatite C que através dos tratamentos inovadores está a conseguir taxas de cura na ordem dos 96%. “É tempo de olhar para as populações que não têm tido este tipo de tratamento – toxicodependentes, reclusos e migrantes”, adiantou o governante.

A estimativa do governo é que existem 1.500 reclusos a necessitarem destes tratamentos. “Queremos que esta população não esteja esquecida”, disse Fernando Araújo.

Para a secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro, esta desigualdade no acesso aos tratamentos aconteceu porque “não se uniram os esforços, nem se conjugaram as vontades que os ministérios da Saúde e da Justiça decidiram agora encetar”.

“É uma questão de humanidade para com estas pessoas e de responsabilidade pelo que é a missão do Estado de garantir saúde pública para todos e também para a população reclusa”, disse a responsável aos jornalistas.

 

Registe-se

news events box

Mais lidas

Has no content to show!