Jornal Médico Grande Público

Bastonário OM: Maior parte dos equipamentos do SNS “fora do prazo de validade”
DATA
14/11/2017 15:28:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Bastonário OM: Maior parte dos equipamentos do SNS “fora do prazo de validade”

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) alertou hoje para o facto de grande parte dos equipamentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) estarem “fora do prazo de validade” e a precisar de substituição, considerando insuficiente a verba de 160 milhões de euros para investimento.

Num encontro com jornalistas, esta manhã, em Lisboa, Miguel Guimarães recordou que a OM está a fazer um levantamento da situação dos equipamentos no país, um retrato que deverá estar pronto durante o primeiro trimestre do próximo ano.

Mesmo antes de ter essa “fotografia aproximada da realidade”, o bastonário sublinha que uma parte significativa dos equipamentos no SNS está a precisar de substituição ou de fazer manutenção obrigatória.

“Não há nenhum hospital que não tenha problemas com equipamentos, às vezes são os mais insuspeitos, os maiores hospitais, que têm mais problemas”, afirmou.

Miguel Guimarães deu o exemplo do hospital de São João, “durante muitos anos considerado o melhor hospital português”, que tendo “excelentes profissionais e uma capacidade de resposta invulgar”, teve o seu investimento em equipamentos “praticamente parado”. Mas tal como o São João, outros grandes hospitais vivem a mesma realidade, notou. Questionado sobre os 160 milhões de euros previstos para investimento no SNS (incluindo equipamentos e edifícios) no próximo ano, o bastonário considerou o montante insuficiente.

“Se se quiser equilibrar o SNS tem de se investir bem mais do que isso”, comentou.

Ainda quanto ao orçamento para a área da saúde, o representante dos médicos lamenta que Portugal vá continuar abaixo da média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) quanto ao que dedica à área em comparação com o Produto Interno Bruto (PIB).

Miguel Guimarães recordou que em 2016 o orçamento da saúde correspondia a 5,9% do PIB, valor que em 2017 e em 2018 estará nos 5,2%, quando a média da OCDE é de 6,5% do PIB.

“Continuamos com um valor muito abaixo”, notou o bastonário, considerando que este é o indicador que permite perceber a aposta na área da saúde em função das possibilidades económicas dos países. Da verba prevista para 2018, uma grande fatia irá para os acordos com médicos e enfermeiros, pelo que “sobrará muito pouco para investir em reformas estruturais necessárias”, concluiu o responsável.

 

Registe-se

news events box

Mais lidas