Jornal Médico Grande Público

SRNOM defende: Porto pode ser "capital do medicamento" com Infarmed
DATA
22/11/2017 09:45:59
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




SRNOM defende: Porto pode ser "capital do medicamento" com Infarmed

O presidente da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos (SRNOM), António Araújo, assinalou ontem que, com a anunciada deslocação da sede da autoridade nacional do medicamento para o Porto, a cidade pode tornar-se “na capital do medicamento”.

“Nós vemos com muito agrado essa notícia porque demonstra algum grau de preocupação do ministério [da Saúde] na descentralização dos órgãos de decisão da tutela”, afirmou à Agência Lusa.

Para António Araújo, a deslocação do Infarmed para o Porto dará à cidade “um organismo que tem um número apreciável de profissionais” que ali irão centralizar “a decisão da utilização dos medicamentos e dos dispositivos médicos”.

Podendo vir a tornar-se na “capital do medicamento do país”, o Porto poderá ainda, graças ao Infarmed, captar “algumas sedes da indústria farmacêutica a médio e longo prazo e isso dará benefícios em termos económicos à cidade”, potenciando o seu desenvolvimento, assinalou o responsável.

“Vai potenciar a cidade, vai trazer mais prestígio para o Porto, vai permitir mesmo até que os profissionais de saúde do Norte dialoguem mais facilmente com o organismo decisor e acredito que, a médio prazo, traga também algumas sedes da indústria farmacêutica para o Norte”, sublinhou.

Um dia depois de o Porto ter perdido para Amesterdão a sede da agência europeia do medicamento, ficando em sétimo lugar na corrida, o ministro da Saúde anunciou que a sede da autoridade nacional do medicamento (Infarmed) vai ser mudada de Lisboa para o Porto.

Segundo António Araújo, “há algum tempo já se falava da deslocalização do Infarmed para o Norte de Portugal”, admitindo, porém, que “faria ainda mais sentido se a EMA viesse para o Porto, porque aí sim conseguia-se congregar na cidade a decisão da utilização do medicamento”.

Para o responsável da SRNOM, esta medida “sensata e bem-vinda” foi, ainda assim, uma forma de o Governo colmatar alguma fragilidade”, num tempo “tão conturbado” como o que se tem vivido, “com as greves dos médicos, dos enfermeiros, dos técnicos de diagnóstico e terapêutica, e num momento de grande contestação às políticas frágeis do ministério”.

Registe-se

news events box

Mais lidas

Has no content to show!