Jornal Médico Grande Público

OM pede à tutela que reveja carreira médica e melhore condições no SNS
DATA
11/12/2017 11:10:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



OM pede à tutela que reveja carreira médica e melhore condições no SNS

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, afirma que recebe diariamente chamadas de clínicos apostados em abandonar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), e apela ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, para que reveja a carreira médica, melhorando as condições de trabalho.

“Todos os dias recebo chamadas de médicos que já emigraram, pretendem emigrar ou que abandonam o SNS para passarem a exercer no setor privado. E o motivo tem que ver com uma questão central: as condições de trabalho”, sustenta Miguel Guimarães.

Um dos principais fatores, segundo o bastonário, é a carreira médica, que implica uma progressão e também um correspondente aumento remuneratório, que tem estado “praticamente congelado”. Para o responsável, a carreira médica é essencial, nomeadamente para que os jovens especialistas possam ficar no SNS.

Como exemplo da falta de aplicação da carreira médica, Miguel Guimarães apontou o caso do concurso hospitalar para médicos que terminaram a especialidade em março e que, em meados de dezembro, não arrancou ainda. O resultado é haver médicos especialistas a ganhar como internos, sendo que alguns destes clínicos já optaram por emigrar ou foram exercer funções no privado, acrescenta o bastonário.

Além da carreira médica, as condições de trabalho globais no SNS deixam os médicos insatisfeitos, com Miguel Guimarães a reconhecer que a carga horária no setor privado é mais reduzida, a pressão é menor e os equipamentos são mais atualizados, ao mesmo tempo que os sistemas informáticos não dificultam tanto o trabalho médico.

A insatisfação dos médicos com as condições de trabalho no SNS é precisamente uma das conclusões do estudo “A carreira médica e os fatores determinantes da saída do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, realizado na região Norte de Portugal em colaboração com a OM. Para o bastonário, este estudo funciona também como uma “chamada de atenção” ao ministro da Saúde, sendo que a Ordem pretende alargar esta análise às outras regiões do país.

news events box

Mais lidas