Jornal Médico Grande Público

Investigadores criam produto que liberta cafeína quando em contacto com a saliva
DATA
12/01/2018 16:24:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Investigadores criam produto que liberta cafeína quando em contacto com a saliva

Investigadores do Porto desenvolveram um produto energético que se desintegra em contacto com a saliva e que liberta cafeína, de forma controlada, fazendo com que aos consumidores tenham uma melhor performance física e mental durante longos períodos de tempo.

“Este produto energético, que tem por base filmes orais, permite aos consumidores uma melhor performance, quando comparada com outros produtos que contêm cafeína”, disse o investigador da Escola Superior de Biotecnologia (ESB) da Universidade Católica (Porto) e um dos responsáveis pelo projeto OraLeaf, Pedro Castro.

“Fáceis de transportar e de manusear”, os filmes orais são películas finas, produzidas de forma a se dissolverem e libertarem substâncias ativas quando entram em contacto com a saliva, num período igual ou superior a 30 segundos, explicou.

Esses filmes, continuou, possuem uma elevada área de contacto, o que garante uma maior superfície de libertação em relação a outros métodos, tornando a ação mais rápida e eficiente.

Segundo Pedro Castro, a inovação deste projeto reside no facto de se ter desenvolvido uma nova tecnologia de libertação controlada de cafeína, que pode ser aplicada a outras moléculas.

“Pretende-se que este produto seja um exemplo de investigação aplicada, em que o potencial da tecnologia desenvolvida nos nossos laboratórios, pelos nossos investigadores, pode melhorar o quotidiano dos consumidores”, disse ainda.

Além de Pedro Castro, participam no projeto os investigadores Patrícia Baptista, Ana Raquel Madureira e Manuela Pintado e Bruno Sarmento.

A equipa participou no programa BIOTECH_agrifood INNOVATION, programa de pré-aceleração criado pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto (ESB-UCP), com o apoio da associação Portugal Foods e da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE).

A participação proporcionou aos responsáveis um aprofundamento na área do empreendedorismo e permitiu introduzir e consolidar conceitos, possibilitando o aumento de conhecimento e a aquisição de competências empreendedoras, bem como um conhecimento do mercado.

Foi possível, assim, “desenvolver um plano de negócios que, apesar de embrionário, tende a ser um suporte para a potencial criação de uma startup, que vise a comercialização do produto”, acrescentou Pedro Castro.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas

Has no content to show!