Jornal Médico Grande Público

BE pede esclarecimentos sobre Urgência de ORL no Santa Maria
DATA
14/08/2018 09:53:10
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



BE pede esclarecimentos sobre Urgência de ORL no Santa Maria

O Bloco de Esquerda (BE) denunciou a situação de um utente que se queixava com “fortes dores nos ouvidos”, mas que não foi atendido na Urgência de Otorrinolaringologia (ORL) do Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Esta situação foi denunciada através de uma pergunta dirigida ao Ministério da Saúde, na qual o BE pediu “esclarecimentos urgentes” sobre a Urgência de ORL.

“Após duas horas a aguardar atendimento, foi chamado a uma sala onde lhe foi entregue um formulário que já vinha preenchido tendo-lhe sido indicado que, com aquele documento, lhe iria ser marcada uma consulta de otorrinolaringologia para os próximos dias”, referem os bloquistas, adiantando que a consulta de especialidade foi agendada para dois dias depois.

Contactado pela agência Lusa, o Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN), que integra o Hospital Santa Maria, afirmou que, com os dados apresentados na pergunta “não é possível responder ao caso concreto”, mas explicou que para “ter ocorrido marcação de consulta, tal significa que o doente foi observado/atendido no serviço de Urgência”.

“Atendendo a que foi marcada consulta para dois dias depois, deduz-se que o doente em questão não preencheria os critérios de observação urgente por otorrinolaringologista”, afirmou o CHLN numa resposta escrita enviada à Lusa.

Na pergunta, o BE sublinhou que “perante a estupefação e perplexidade do utente relativamente ao facto de ir sair do hospital sem ser atendido, foi-lhe referido que, de acordo com uma diretiva recente, tinham deixado de chamar otorrinolaringologistas à urgência, exceto em três situações específicas”, entre as quais o traumatismo craniano.

“Não se compreende nem se pode aceitar que um hospital da dimensão e grau de diferenciação do Hospital de Santa Maria não tenha atendimento urgente de otorrinolaringologia. É fundamental perceber se esta bizarra situação configura um caso isolado ou se é de facto uma praxis desta urgência hospitalar”, defendem os bloquistas.

O CHLN esclareceu que o serviço de ORL funciona 24 horas por dia e que existe um protocolo pré-definido para as situações em que o utente deve ser observado por um especialista.

“Todas estas decisões são de natureza clínica e face aos dados disponibilizados não parece ter existido qualquer situação anómala”, explicou a unidade hospitalar.

O BE questionou, ainda, a tutela sobre que “medidas urgentes” serão implementadas para garantir o normal funcionamento da urgência de ORL no Santa Maria.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas