Jornal Médico Grande Público

Governo apoia relação médico-doente como património da humanidade
DATA
04/09/2018 12:59:40
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Governo apoia relação médico-doente como património da humanidade

O Governo vai apoiar a proposta da Ordem dos Médicos (OM) de elevar a relação médico-doente a património imaterial da humanidade pela UNESCO.

“Fomos confrontados positivamente com a proposta de que a relação médico-doente seja considerada pela UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura – património imaterial da humanidade. Naturalmente, achamos que é uma ideia que honrará o país e que fará, do ponto de vista internacional, justiça àquilo que é uma das relações historicamente mais importantes, que é a relação médio-doente”, afirmou o ministro Adalberto Campos Fernandes, à margem da assinatura de um protocolo, que decorreu esta manhã na sede nacional da OM, em Lisboa.

Questionado pelos jornalistas, o ministro da Saúde não deu mais detalhes sobre a forma como o Governo pretende apoiar esta iniciativa.

Recorde-se que, já em novembro do ano passado, Miguel Guimarães tinha anunciado a sua pretensão de ir às Nações Unidas alertar para a importância da relação médico-doente, que a OM pretende ver elevada a património imaterial da humanidade pela UNESCO.

A ideia de candidatar a relação médico-doente a património imaterial da humanidade partiu inicialmente da ordem dos médicos de Espanha e conta contou desde logo com o “forte apoio” dos médicos portugueses, segundo Miguel Guimarães.

“A OM portuguesa está a apoiar fortemente esta proposta e vamos tentar ir um pouco mais longe, tendo programada uma reunião nas Nações Unidos, com o secretário-geral para lhe falarmos da questão da relação médico-doente”, afirmou o bastonário em novembro, citado pela agência Lusa.

Para o bastonário, esta questão fundamental é “a humanização dos cuidados de saúde”, salvaguardando a segurança clínica dos doentes e dos próprios médicos.

“No dia em que [a relação médicos-doente] for reconhecida, estamos a dar uma importância a essa relação que não tem tido para os governos dos vários países”, considera Miguel Guimarães.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas