Jornal Médico Grande Público

Bastonário: “A Medicina não sobrevive sem o médico”
DATA
26/10/2018 09:53:53
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Bastonário: “A Medicina não sobrevive sem o médico”

A relação entre médico e doente e a visão humanista da medicina na era da evolução tecnológica serão alguns dos temas em destaque no 21.º Congresso da Ordem dos Médicos (OM), que arranca hoje em Lisboa.

No primeiro de dois dias do congresso, a OM vai assinar um acordo de cooperação com a União Europeia dos Médicos Especialistas, mediante o qual as duas instituições vão passar a colaborar na acreditação de eventos internacionais de formação médica contínua. Para Miguel Guimarães este acordo é “um momento histórico”, para continuar a elevar a formação médica contínua.

Sob o tema “O Futuro na Medicina”, este congresso pretende avaliar o impacto da tecnologia na Medicina, com o objetivo de perceber quais são os principais desafios para os médicos neste contexto.

 “A Medicina não sobrevive sem o médico, nem a tecnologia será benéfica sem a nossa intervenção”, afirmou Miguel Guimarães, sublinhando que a relação médico/doente é um património que tem de ser preservado.

“Por mais tecnologia e evolução, o futuro da medicina nunca deve deixar de ter no seu centro a visão humanista e a relação médico/doente”, defendeu o bastonário, acreditando que o médico nunca será substituível pela tecnologia, apesar de reconhecer a importância da evolução tecnológica para a Medicina, permitindo tratamentos mais eficazes e diagnósticos mais rigorosos.

Lembrando a pressão existente sobre os profissionais de saúde, Miguel Guimarães revelou que, em breve, a OM irá avançar com a definição dos tempos padrão para as consultas das várias especialidades, tempos que terão de ser respeitados para a marcação entre as várias consultas, quer no público quer no privado.

“Isto não resolve os problemas, mas é um contributo. Temos também de nos consciencializar todos de que os doentes precisam de mais tempo, isso diminui o erro médico, diminui a conflitualidade. É necessário tempo para conversar com o doente e tirar dúvidas”, disse o bastonário.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas