Jornal Médico Grande Público

Doutor, sou vegan
DATA
14/05/2019 10:38:04
AUTOR
M. Inês Antunes
ETIQUETAS


Doutor, sou vegan

Dentro das preocupações da atualidade, além da sustentabilidade ambiental, a proteção da vida animal ocupa também lugar de destaque.

O veganismo surge como uma opção de vida que exclui, dentro do possível e do praticável, todas as formas de exploração animal, seja para a alimentação, para o vestuário ou para outra finalidade.

O termo “vegan” surgiu em 1944. Ser vegan é mais do que uma moda ou uma dieta, é um conjunto de práticas que defende os direitos dos animais, a sua liberdade e integridade. O veganismo implica retirar da rotina diária tudo o que inclua sofrimento animal, como não ingerir alimentos de origem animal, não participar em atividades que não respeitam animais (ex. caça, circo, oceanários, jardim zoológico, concursos de animais, etc), não usar produtos com derivados animais ou testados em animais (ex. champô, maquilhagem, produtos de limpeza, etc). Com a oferta crescente de produtos e serviços vegan no mercado, ser vegan será cada vez mais popular.

O que preocupa os profissionais de saúde que defendem a tradicional dieta mediterrânea e a tentam impor aos seus utentes é a restrição de produtos/derivados animais implícita na dieta vegan, observando-se um comportamento ainda mais intolerante quando estão crianças envolvidas, ouvindo-se muitas vezes relatos de comentários despropositados sobre o veganismo. Esta atitude leva à deterioração da relação médico-doente com consequências nefastas para a prestação de cuidados médicos de qualidade.

Quantos de nós têm formação de base sobre dietas alternativas? O que sabemos sobre a dieta vegan? Quais são as nossas fontes? Não seremos desinteressados, negligentes? Temos capacidade técnica para orientar estes utentes? Sabemos esclarecer as suas dúvidas? Que credibilidade temos perante os nossos doentes?

A direção geral de saúde, no documento “Linhas de orientação para uma alimentação vegetariana saudável” de 2015 afirma “A evidência aponta não só para a importância do consumo regular de produtos de origem vegetal, como para o facto de uma alimentação exclusivamente baseada nestes produtos ser igualmente ou até mais protetora da saúde humana (…) uma alimentação exclusivamente vegetariana, quando bem planeada, pode preencher todas as necessidades nutricionais de um ser humano e pode ser adaptada a todas as fases do ciclo de vida, incluindo a gravidez, lactação, infância, adolescência e em idosos ou até atletas.”

Ser vegan é uma escolha individual que deve ser respeitada. Não nos cabe julgar nem abandonar quem opta por um estilo de vida diferente do que defendemos. Os indivíduos que iniciam este tipo de alimentação merecem profissionais de saúde aptos a informar, identificando riscos e benefícios e aconselhando na prática a sua execução. Compete-nos, entre outros, propor alternativas, evitar défices nutricionais e, em última análise, suplementar adequada e individualmente em cada fase da vida.

Não sabe o que dizer quando lhe dizem “Doutor, sou vegan”?

Eu também não, mas prometo saber na próxima.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas