VII International Course on HPB Surgery – IV Thomas E. Starzl HPB Symposium
DATA
21/01/2015 12:47:11
AUTOR
Jornal Médico
VII International Course on HPB Surgery – IV Thomas E. Starzl HPB Symposium

calendário

DATA: 5 a 7 de Fevereiro

LOCAL: Porto

À semelhança dos anos anteriores, a Unidade HBP do Serviço de Cirurgia do Centro Hospitalar de S. João, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto vai organizar o 7º Curso Internacional de Cirurgia Hepato-Bilio-Pancreática e 4ª Thomas E Starzl Symposium on HPB Surgery.

Esta 7ª edição, a realizar no Porto nos dias 5, 6 e 7 de Fevereiro de 2015 sob o tema geral “On the Shoulders of Giants”, pretende constituir reunir numa homenagem inédita, os pioneiros da cirurgia hepato-bilio-pancreática e de transplantação responsáveis pelos progressos e inovações técnicas que permitiram o desenvolvimento desta área da cirurgia.

Não foram, no entanto, descurados os aspetos científicos, estando programados painéis associados às sessões de homenagem, abordando os temas mais atuais no tratamento pluridisciplinar do carcinoma hepatocelular, colangiocarcinoma e metástases hepáticas.

Estão confirmadas as presenças de alguns dos mais destacados “pioneiros”, nomeadamente os Profs. Thomas Starzl, Henri Bismuth, Moreno-Gonzalez, Yuji Nimura, Masatoshi Makuuchi e Leslie Blumgart, entre outros.

Dedicaremos ainda, como habitualmente, um espaço à Enfermagem, com apresentação e discussão de aspetos técnicos e logísticos específicos dessa área.

A 7ª edição deste Curso ambiciona, assim, proporcionar uma reunião ímpar dos ícones mundiais da cirurgia HBP e de transplantação e constituir um evento único e marcante para a comunidade cirúrgica.

Saiba mais aqui

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas