Dificuldades na equipa de enfermagem
DATA
04/04/2008 07:58:44
AUTOR
Jornal Médico
Dificuldades na equipa de enfermagem

A USF S. Domingos, que começou a trabalhar com uma equipa de sete médicos e sete enfermeiros, perdeu, nos últimos meses, dois enfermeiros (tinha 7)

 

A USF S. Domingos, que começou a trabalhar com uma equipa de sete médicos e sete enfermeiros, perdeu, nos últimos meses, dois enfermeiros (tinha 7). Entretanto, com a passagem para novas instalações, procedeu-se ao alargamento da equipa médica para um total de nove profissionais.

"Estamos a aguardar a chegada de mais enfermeiros para a unidade", diz a médica de família Cristina Nobre. No entanto, estes só deverão chegar "depois da entrada da USF no Modelo B".

Entretanto, os cinco enfermeiros da USF "andam completamente esgotados". Para os médicos, "também é muito complicado porque não temos o mesmo apoio da consulta de enfermagem". Os profissionais dedicam-se, sobretudo, à área de tratamentos, Saúde Infantil, Saúde Materna, Planeamento Familiar e apoio domiciliário.

Esta situação teve impacto nos indicadores e só o enorme esforço de toda a equipa e o facto de os médicos terem prescindido voluntariamente do apoio dos enfermeiros na avaliação dos doentes, conseguiu inverter a situação. Neste momento, "os indicadores estão a voltar a subir" mas perdeu-se um pouco a ligação dos enfermeiros de família aos cerca de 16.400 utentes da unidade de saúde familiar.

Cristina Nobre garante que "a Missão para os Cuidados de Saúde Primários tem-nos apoiado, na medida do possível, mas esta é uma condicionante que eles também não podem resolver".

A médica espera que esta seja apenas "uma fase de transição" e que, dentro de pouco tempo, a equipa seja reforçada de modo a que a unidade possa contar com igual número de médicos e de enfermeiros.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.