Manifestação contra encerramento agita Páscoa
DATA
04/04/2008 08:04:11
AUTOR
Jornal Médico
Manifestação contra encerramento agita Páscoa

No passado dia 20 de Março, véspera de sexta-feira santa, mais de 1500 pessoas manifestaram-se contra o encerramento nocturno do Serviço de Atendimento Permanente (SAP) do Centro de Saúde de Grândola

 

No passado dia 20 de Março, véspera de sexta-feira santa, mais de 1500 pessoas manifestaram-se contra o encerramento nocturno do Serviço de Atendimento Permanente (SAP) do Centro de Saúde de Grândola, numa iniciativa de protesto organizada pela comissão local de utentes.

A acção de rua passou pelo IC1 e terminou junto ao Memorial do 25 de Abril, depois de ter irritado um número significativo de automobilistas e de ter gerado alguma confusão na circulação em torno de Grândola, em fim-de-semana prolongado.

Em entrevista concedida ao Diário de Notícias, o presidente socialista da autarquia de Grândola, Carlos Beato, assegurou que a administração central o traiu: "o Ministério da Saúde faltou à palavra escrita. Quando ocorreu o incêndio ocasional no centro de saúde, havia pessoas que diziam que o SAP já não abria durante a noite, mas eu assegurei publicamente que não acreditava nisso. Eu achei que devia dar a cara pela tutela, porque tinha um compromisso escrito de que não haveria alteração ao funcionamento do SAP sem audição prévia do município. Mas isso não aconteceu". O autarca garante que para além da câmara municipal, outras instituições da região estão dispostas a tudo fazer para manter o SAP aberto, com destaque para a Misericórdia e para o tecido empresarial. A ministra da Saúde já se pronunciou sobre este caso, garantindo que está disposta a reunir-se com o autarca e a encontrar uma saída satisfatória para esta reconfiguração.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.