Extensão de Saúde de Massamá continua sem abrir
DATA
04/04/2008 08:25:18
AUTOR
Jornal Médico
Extensão de Saúde de Massamá continua sem abrir

A Extensão de Saúde de Massamá, do CS de Queluz, continua sem abrir, contrariando as expectativas da directora, Clara Pais. Inicialmente, esta apontava para o primeiro trimestre deste ano, mas a data não se confirma

 

A Extensão de Saúde de Massamá, do CS de Queluz, continua sem abrir, contrariando as expectativas da directora, Clara Pais. Inicialmente, esta apontava para o primeiro trimestre deste ano, mas a data não se confirma.

O edifício está terminado mas faltam ainda realizar uma série de correcções e alterações. Os sucessivos atrasos estão a colocar o centro de saúde numa situação muito difícil. Com efeito, desde Setembro de 2006 saíram seis médicos de família para integrar unidades de saúde familiar e outros três atingiram a idade da reforma.

Hoje, o número de utentes a descoberto situa-se em 36 mil. A demora na abertura do edifício de Massamá impede que duas unidades de saúde familiar comecem a trabalhar. Uma delas irá incorporar 12 médicos e a outra, cinco.

Destes, dois vêm do exterior e outros dois são ex-internos. A sua entrada nas USF permitiria, de certo modo, "compensar" a saída de colegas para outras unidades.

A directora já não arrisca uma data para a abertura da Extensão de Saúde de Massamá. A situa-se torna-se cada vez mais difícil, com os actuais clínicos a terem de assegurar, além das consultas de ambulatório para os utentes inscritos em lista, consultas de recurso - entre as 8 e as 20 horas - para milhares de utentes.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas