Ruído impediu médicos de trabalhar
DATA
04/04/2008 08:34:56
AUTOR
Jornal Médico
Ruído impediu médicos de trabalhar

No dia 26 de Março, os médicos do Centro de Saúde de Viana do Castelo tiveram que interromper as consultas directas devido ao ruído e trepidação proveniente das obras que decorrem mesmo ao lado do edifício

No dia 26 de Março, os médicos do Centro de Saúde de Viana do Castelo tiveram que interromper as consultas directas devido ao ruído e trepidação proveniente das obras do novo parque de estacionamento em construção mesmo ao lado, no logradouro da Câmara Municipal.

O director do centro de saúde, Luís Palma Almeida, assinala que o ruído das obras, com recurso a maquinaria, era de tal maneira forte que, durante a tarde, os profissionais de saúde não tiveram as condições para atender os utentes no ambulatório. Chegou um momento em que as próprias aplicações informáticas deixaram de responder.

O Serviço de Atendimento Permanente, localizado ao lado da entrada do edifício e menos exposto ao ruído, foi reforçado com mais um médico.

Segundo o responsável da unidade, os utentes compreenderam a situação. Naquelas condições, era impossível trabalhar, pelo que não se registaram protestos contra os profissionais de saúde.

A situação voltou, entretanto, à normalidade. Embora as obras continuem, Luís Palma Almeida afirma que o nível de ruído já é menor.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas