USF PortoCentro: Empenhadamente ao lado do utente
DATA
12/01/2009 04:57:33
AUTOR
Jornal Médico
USF PortoCentro: Empenhadamente ao lado do utente

Este é o lema que a equipa da USF Porto Centro persegue desde há cerca de um ano...

 

Este é o lema que a equipa da USF Porto Centro persegue desde há cerca de um ano... A funcionar desde 17 de Dezembro de 2007, a unidade de saúde familiar do Centro de Saúde do Bonfim/Batalha é constituída por oito médicos de família, oito enfermeiros e seis funcionários do sector administrativo, apesar de ter arrancado apenas com seis clínicos, igual número de enfermeiros e cinco secretários clínicos. Para além das dificuldades inerentes à mobilidade dos profissionais, a USF Porto Centro enfrentou, desde a entrada em funcionamento, problemas importantes ao nível dos sistemas informáticos. "Azares" decorrentes do facto desta USF ter sido a 13ª equipa a candidatar-se? Talvez não... Mas nada que impeça, desde os primeiros dias, a normal actividade assistencial aos cerca de 12.500 utentes inscritos na unidade

No dia em que se iniciou o processo de candidatura às Unidades de Saúde Familiar (USF) - 1 de Março de 2006 - chegou ao site da Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP) uma proposta de adesão ao novo modelo organizativo, oriunda do Centro de Saúde (CS) do Bonfim/Batalha (Porto).
Inúmeros obstáculos levaram a que o processo de constituição desta USF fosse um dos mais morosos da história da reforma em curso, estendendo-se por 21 meses. "Azares" decorrentes do facto desta USF ter sido a 13ª equipa a candidatar-se? Talvez não... Ainda assim, as dificuldades não impediram esta equipa da região Norte de figurar na lista das 100 primeiras USF a abrirem portas a nível nacional e muito menos comprometeram a actividade assistencial aos cerca de 12.500 utentes já inscritos, desde a abertura, a 17 de Dezembro.
Para além de dificuldades inerentes à mobilidade dos profissionais - que fizeram com que este grupo iniciasse actividade com apenas seis médicos de família (MF), seis enfermeiros e cinco administrativos, em vez da equipa de 8-8-6 prevista na candidatura - a USF Porto Centro enfrentou atrasos relacionados com as obras de requalificação das instalações, e manteve durante meses importantes problemas ao nível do sistema informático.
No entanto, e segundo o coordenador da unidade, a resolução destes impasses tem vindo a ocorrer, lentamente.... A todo o momento, adiantou Costa Lima, espera-se a integração na USF da médica e da enfermeira que ainda estão em falta. Então, a equipa poderá alargar completamente a sua cobertura, abarcando a totalidade dos cerca de catorze mil utentes sem médico de família atribuído - um dos grandes objectivos do projecto.

 

Oportunidade de fazer mais e melhor

A equipa formou-se em resposta aos anseios de um grupo de profissionais de diferentes áreas, empenhados em melhorar e alargar a prestação de cuidados de saúde. Há muito que os profissionais da USF Porto Centro desejavam "avançar para algo diferente" e a actual reforma foi, sem dúvida, "a oportunidade que faltava para o poderem fazer", explicou o médico coordenador da unidade, salientando que, "a mudança era inevitável".
Ponto assente na candidatura foi a vontade que os médicos pertencentes àquele CS tinham de permanecer nas instalações da Rua de Santos Pousada, em pleno centro do Porto - daí a designação da USF -, e de manter as suas listas de utentes. Assim, para além destes profissionais foram convidados outros para reforçar a equipa e abranger os utentes sem MF, recordou Costa Lima.
De acordo com uma das médicas da unidade, Manuela Ruivo, "a equipa é muito coesa, e é bom ver e sentir isso". Apesar de já trabalhar no espaço físico que a USF Porto Centro agora ocupa e de ter alargado o seu ficheiro, a MF sublinha, com entusiasmo: "respira-se mudança!".
Em termos de carteira adicional de serviços, esta unidade de saúde familiar contempla o funcionamento duma consulta de cessação tabágica, assegurada por médicos e enfermeiros com treino específico nessa área.
A formação é outro dos projectos prioritários para a equipa da USF Porto Centro, que conta, actualmente, com três internos de Medicina Geral e Familiar.
Nesta USF de modelo B - cuja legislação a equipa aguardou "pacientemente" - o grande objectivo e, simultaneamente o lema da equipa, é "fazer mais e melhor saúde, com muito mais empenho e decididamente ao lado do utente".

 

Traça antiga, com cara lavada

A USF Porto Centro funciona no 1º piso das instalações do CS do Bonfim/Batalha. Na ausência de elevador, a escadaria central está equipada com uma plataforma elevatória para acesso a deficientes e carrinhos de bebé.
"O edifício beneficiou de obras de requalificação, tendo-se, no entanto, mantido a belíssima traça antiga", explicou Costa Lima. As cores da unidade vertem-se no logótipo.
Apesar de não existirem salas de espera "dignas" desse nome, há "espaços de espera muito bem aproveitados e "que tentámos que fossem acolhedores", salientou Manuela Ruivo ao nosso jornal.
No dia da inauguração, esses espaços foram animados com uma exposição de fotografia alusiva ao tema da "espera", da autoria de duas estudantes da Escola de Belas Artes do Porto, Ana Guedes e Carla Capela.
"Colocámos a cadeira de espera num local mais aprazível, com a intenção de transportar os utentes para outros locais, enquanto estes aguardam pela sua consulta", explicaram as artistas.
As exposições têm vindo a mudar de dois em dois meses, sem interrupção, de acordo com o calendário previsto. De acordo com Manuela Ruivo, a parceria com esta instituição do ensino superior é para continuar, visando a utilização do espaço de espera para exposições temáticas e espaço informativo, alusivas a efemérides e aconselhamento na área da saúde.

 

Ser nº 13 trouxe alguns azares

No dia da inauguração, os responsáveis da MCSP visitaram a USF Porto Centro e reforçaram os parabéns à equipa, pelo "imenso empenhamento com que abraçaram este novo projecto, apesar da morosidade do processo e das sucessivas contrariedades".
O então coordenador da Equipa Regional de Apoio (ERA) do Norte, Henrique Botelho, salientou que o facto de esta equipa ter sido a 13ª a candidatar-se ao novo modelo organizativo "parece ter acarretado alguns azares"... Ultrapassados os contratempos, "hoje é um patamar decisivo para a vossa equipa", salientou o responsável, referindo ser uma grande satisfação "ver médicos - na sua maioria na casa dos 50 anos - com um brilho tão forte nos olhos".
Por sua vez, o director do CS do Bonfim/Batalha, Francisco Rocha Pinto, congratulou-se com o nascimento de uma unidade de saúde familiar no centro de saúde que dirige. "Somos [CS e USF] e vamos continuar a ser uma família. A partir de agora seremos uma família reconfigurada, que trabalha em prol dos utentes e de uma acrescida satisfação dos profissionais", concluiu aquele responsável.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.