Rui Cernadas assume direcção clínica
DATA
14/01/2009 08:40:12
AUTOR
Jornal Médico
Rui Cernadas assume direcção clínica

Rui Cernadas, médico da Unidade de Saúde Familiar (USF) Aguda, do Centro de Saúde - CS - de Arcozelo, aceitou o convite para o cargo de director clínico do ACES Gaia II

Rui Cernadas, médico da Unidade de Saúde Familiar (USF) Aguda, do Centro de Saúde - CS - de Arcozelo, aceitou o convite para o cargo de director clínico do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gaia II. Trata-se do agrupamento onde se inserem os CS de Arcozelo e Boa Nova, Carvalhos e Espinho.

O próprio Rui Cernadas confirmou-nos que aceitou a proposta e, pelo que conseguimos apurar, a tutela já terá dado o aval definitivo para a sua nomeação. O médico da Aguda garantiu-nos, ainda, que só deu este passo mediante o compromisso de que poderia manter actividade clínica no seu serviço de origem: "somos apenas quatro médicos. O que significa que represento um quarto da força de trabalho da USF. Em boa verdade, a minha continuidade representa a sobrevivência da unidade, já que em termos legais não poderíamos funcionar com três médicos". Rui Cernadas manterá uma lista de utentes completa (o que obrigará a algumas concessões temporais e compromissos de circunstância) ou, em alternativa, deixará uma parcela dos seus doentes nas mãos dos colegas da USF. O arranjo final está, pois, em aberto.

Saliente-se que, daqui em diante, Rui Cernadas irá trabalhar de perto com José Carlos Leitão, director executivo nomeado para este ACES. "Nunca colaborei com este colega em termos profissionais e falámos apenas algumas vezes, durante breves minutos", explica Rui Cernadas, para quem o convite não deixou de ser surpreendente.

Questionado sobre as razões que teriam presidido à sua escolha, o habitual colunista do Médico de Família arrisca alguns motivos plausíveis: "a minha colaboração em jornais da especialidade, a participação activa na discussão da Medicina Geral e Familiar e contínua produção científica, foram-me apontadas como fundamentos. Por outro lado, o meu nome parece ser pacífico entre a população médica dos vários CS envolvidos".

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: