USF Vale do Âncora: a 160ª a nível nacional
DATA
19/01/2009 04:54:28
AUTOR
Jornal Médico
USF Vale do Âncora: a 160ª a nível nacional

O objectivo da equipa é prestar uma melhor assistência aos habitantes do Vale do Âncora, alargando o horário de atendimento e melhorando a acessibilidade  

A USF Vale do Âncora, recentemente inaugurada, conta com cinco médicos, cinco enfermeiros e quatro secretários clínicos, estando dimensionada para nove mil utentes. É formada por um grupo de profissionais que já trabalhavam juntos há longo tempo na Extensão de Saúde de Vila Praia de Âncora (CS de Caminha), excepto um enfermeiro e um administrativo, que procedem do exterior do centro de saúde. A média de idades dos médicos ronda os 50 anos, enquanto que a dos sectores de enfermagem e administrativo se aproxima dos 40.

Manuel Pires Martins, o coordenador, explica que o objectivo da equipa é prestar uma melhor assistência aos habitantes do Vale do Âncora, alargando o horário de atendimento e melhorando a acessibilidade.

Ao nível dos serviços prestados pela USF, a equipa continua a fazer o acompanhamento dos doentes ventilados (um projecto da Sub-região de Saúde de Viana do Castelo, em parceria com o hospital distrital) e ainda o controlo e seguimento dos doentes hipocoagulados. 

A USF encontra-se localizada nas anteriores instalações da Extensão de Saúde de Vila Praia de Âncora. O edifício tinha todas as características favoráveis à criação de uma USF. Com pequenas obras adicionais, as instalações "ficaram óptimas", é a apreciação do coordenador.

Quanto a material, a equipa iniciou a sua actividade com aquele que já existia nas antigas instalações da extensão de saúde, estando neste momento a aguardar a chegada do restante.

Nascido e criado na região do Vale do Âncora, Manuel Pires Martins sentiu-se duplamente feliz com a inauguração da USF. "Por um lado, constitui uma mais-valia para a minha terra e, por outro, corresponde às minhas aspirações em termos profissionais".

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas