Utentes têm acesso ao processo clínico individual
DATA
05/03/2010 04:40:06
AUTOR
Jornal Médico
Utentes têm acesso ao processo clínico individual

O sistema permite que os utentes acedam ao seu processo clínico individual, de forma segura e confidencial. E em caso de necessidade, mostrá-lo a profissionais de outros serviços de saúde a informação clínica mais relevante  

No momento em que a Administração Central dos Sistemas de Saúde (ACSS) começa a introduzir a marcação de consultas pela Internet, existe uma unidade de saúde familiar no nosso país que não só proporciona essa possibilidade aos seus utentes desde 2008, como até lhes dá a possibilidade de acederem ao seu processo clínico individual, de forma segura e confidencial. E em caso de necessidade, mostrá-lo a profissionais de outros serviços de saúde a informação clínica mais relevante.

Trata-se da USF São Julião, na Figueira da Foz, que tem investido fortemente nas novas tecnologias da informação para melhorar a acessibilidade aos serviços de saúde. Principalmente nas que utilizam a internet como plataforma de suporte.

As histórias de sucesso já têm anos. Por exemplo, desde 17 de Abril de 2008 que os utentes passaram a ter a unidade disponível 24 horas, sete dias por semana, numa lógica de complemento do atendimento presencial.

Em casa, ou no local de trabalho, os cidadãos inscritos na USF São Julião podem receber avisos da unidade (por exemplo, alterações do agendamento de consultas, convocatórias para rastreios), não só através do portal, mas também de SMS ou de chamadas telefónicas automatizadas.

Por sua vez, os utentes podem solicitar a marcação de consultas com o seu médico de família ou equipa de enfermagem, escolhendo a hora e o dia mais conveniente, tendo em conta, naturalmente, as disponibilidades da unidade.

Através do portal, os utentes podem ainda solicitar a renovação de receituário e outros documentos, como atestados ou declarações. Podem, ainda, pedir aconselhamento ao médico ou enfermeiro de família.

Não se pense, todavia, que tudo funciona numa lógica de "pede e dá, sem mais...". Nada disso. A USF salvaguarda que "o pedido de documentos pode não ser processado pelo médico de família se este considerar pertinente a realização de uma consulta prévia.

 

Acesso ao processo clínico individual

O acesso ao processo clínico individual, de forma segura e confidencial, é outra das potencialidades importantes deste serviço. Em caso de necessidade, quando o utente recorre a outros médicos ou serviços de saúde, pode mostrar a informação clínica mais relevante, através da introdução da sua password.

Por último, os utentes que têm um plano de cuidados específico definido pelo seu médico ou enfermeiro de família, podem recorrer ao portal para fazer os seus registos pessoais. Por exemplo, indicar a que horas tomaram a medicação, os valores de glicemia ou da tensão arterial, entre outros.

 

Adesão é feita através do quiosque electrónico

A adesão a estes serviços é efectuada, de forma presencial, na unidade de saúde. O processo é simples: basta identificar-se, com o cartão de utente, no quiosque electrónico e solicitar a opção "acesso ao portal".

De acordo com José Luís Biscaia, coordenador da unidade, a obrigatoriedade da presença do utente para a adesão a este serviço "prende-se com as questões inerentes à segurança e confidencialidade; para garantirmos, com total certeza, a autenticidade do pedido e a identificação do utente que o efectua.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas