Acesso a cuidados paliativos é um direito humano!
DATA
06/06/2011 11:00:41
AUTOR
Jornal Médico
Acesso a cuidados paliativos é um direito humano!

Em Portugal morrem cerca de 105 mil pessoas por ano, de acordo com dados da Direcção-Geral da Saúde. Segundo a OMS, cerca de 60% destas pessoas precisa de cuidados paliativos

Texto integral disponível, apenas, na edição impressa

Cerca de 2.700 profissionais ligados aos cuidados paliativos reuniram-se em Lisboa num mega congresso em que estiveram representados países de todo o mundo. Logo na inauguração, Lukas Radbruch, presidente da Associação Europeia de Cuidados Paliativos, lançou um apelo aos governos e líderes de opinião para que o acesso a este tipo de cuidados seja considerado "um direito humano".

Em Portugal morrem cerca de 105 mil pessoas por ano, de acordo com dados da Direcção-Geral da Saúde. Segundo a OMS, cerca de 60% destas pessoas precisa de cuidados paliativos. Contudo, os serviços existentes no nosso país só conseguem dar resposta a 10% destes doentes. Sabendo que os cuidados paliativos têm também como objectivo prestar apoio aos familiares e cuidadores que sofrem o impacto directo da doença, "e se esse núcleo for, em média, constituído por três pessoas, então ascendem a pelo menos 180 mil o número daqueles que, em Portugal, carecem de resposta estruturada e rigorosa de cuidados paliativos". Os números são avançados pela médica de família Isabel Neto, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, que organizou recentemente em Lisboa - numa parceria com a sua congénere europeia - o XII Congresso Europeu de Cuidados Paliativos.

 

 

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.