USF Tílias continua desalojada e a aguardar por licença de obras
DATA
05/10/2011 06:29:56
AUTOR
Jornal Médico
USF Tílias continua desalojada e a aguardar por licença de obras

Devido a obras de ampliação nas instalações, a equipa da USF Tílias foi obrigada a reformular toda a actividade. As consultas de saúde do adulto passaram para o CS de Sete Rios e as actividades associadas aos cuidados de enfermagem e aos programas de vigilância estão a ser realizadas num monobloco pré-fabricado

 

Texto integral só disponível na edição impressa

Devido a obras de ampliação nas instalações, a equipa da Unidade de Saúde Familiar Tílias foi obrigada a reformular toda a actividade. As consultas de saúde do adulto passaram para o Centro de Saúde de Sete Rios e as actividades associadas aos cuidados de enfermagem e aos programas de vigilância estão a ser realizadas num monobloco pré-fabricado. Solução assumida como temporária, perante os utentes, já que deveria prolongar-se apenas entre Julho e Outubro deste ano, o tempo necessário para concluir a empreitada. Mas algo correu mal: as obras - prometidas desde 2007 - pararam poucos dias depois de se terem iniciado, por falta de uma licença camarária

 

O grupo de profissionais que integram a USF Tílias não se conforma com o modo como é hoje obrigado a desenvolver a sua actividade. Em causa, as obras que actualmente esventram as suas instalações, localizadas em São Domingos de Benfica. Obras que não têm fim à vista, face a dificuldades burocrático-administrativas entretanto surgidas.

O edifício que habitualmente acolhe a Tílias pertence à da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e tem tido como locatários, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e a Santa Casa da Misericórdia (no piso inferior).

Hoje está em obras de remodelação... Relativamente às quais a autarquia nunca apresentou reservas, até porque no médio prazo não existe outra alternativa para abrigar a USF, na zona urbana onde está implantada. Face à concordância entre as partes e ao desenvolvimento do processo, a ARSLVT terá dado ordens para a empreitada começar, convencida de que todas as autorizações teriam sido dadas pela autarquia e que não seriam exigidas mais formalidades. Mas, pouco tempo depois de se terem iniciado as obras, confirmou-se que era mesmo imperioso contar com uma licença, a emitir pelos serviços autárquicos. Resultado: a empreitada teve que ser interrompida.

 

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas