Presidente da APMGF defende opção pela Medicina Familiar
DATA
30/12/2011 10:16:49
AUTOR
Jornal Médico
Presidente da APMGF defende opção pela Medicina Familiar

Na Escola de Ciências da Saúde, João Sequeira Carlos propôs aos estudantes de Medicina um percurso pela história da Medicina Familiar em Portugal e no mund

Texto integral só disponível na edição impressa

Na Escola de Ciências da Saúde, João Sequeira Carlos propôs aos estudantes de Medicina um percurso pela história da Medicina Familiar em Portugal e no mundo. O presidente da APMGF defendeu a opção pela Medicina Familiar e o reforço dos cuidados de saúde primários, como uma medida decisiva para a sustentabilidade do sistema de saúde

No âmbito da celebração de um protocolo de cooperação entre a APMGF (Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar) e a Universidade da Beira Interior (UBI), o presidente da Associação e coordenador do Departamento de Medicina Geral e Familiar do Hospital da Luz, João Sequeira Carlos, realizou uma conferência em que defendeu, perante estudantes de Medicina, a opção pela Medicina Familiar.
O convite partiu do Departamento da Medicina Familiar da Escola de Ciências da Saúde, cujo corpo docente foi reforçado recentemente com o Prof. Luiz Miguel Santiago, médico de família do Centro de Saúde de Eiras, em Coimbra.
Os sistemas de saúde orientados para os cuidados de saúde primários obtêm melhores resultados, menor mortalidade e morbilidade e níveis superiores de saúde, começou por afirmar o responsável da APMGF.
Propondo uma breve viagem no tempo, João Sequeira Carlos recordou as palavras do presidente honorário da APMGF, Mário Moura: “é preciso também olhar para o passado, onde estão os alicerces deste presente que esperamos seja a base de um futuro ainda melhor”.
 

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.