Jornal Médico Grande Público

Inaugurações tardam, no início de 2012
DATA
23/03/2012 10:10:36
AUTOR
Jornal Médico
Inaugurações tardam, no início de 2012

Cerca de uma dezena de novas unidades de saúde familiar, na Região Norte, já reuniram quase todas as condições para iniciar actividade. Só não abrem, por força de problemas menores que só a ARS Norte pode resolver

Texto integral apenas disponível na versão impressa

Cerca de uma dezena de novas unidades de saúde familiar, na Região Norte, já reuniram quase todas as condições para iniciar actividade. Só não abrem, por força de problemas menores que só a ARS Norte pode resolver. Em alguns casos, o que está em causa é apenas a concretização da mobilidade de um ou dois elementos da equipa. Noutros, o obstáculo maior é a realização de pequenas obras. Há já casos em que a demora levou à desistência de vários membros das equipas candidatas. Entretanto, outras seis unidades de saúde familiar, já em funcionamento, continuam à espera de homologação final por parte do conselho directivo da Administração Regional de Saúde do Norte, indispensável para acederem ao modelo B

 

São cerca de uma dezena, as unidades de saúde familiar (USF) da Região Norte que aguardam, com natural expectativa, pelo dia de abertura, depois de terem feito a nível interno tudo o que lhes foi solicitado para colocar o projecto de pé. Estas unidades (todas do modelo A) continuam, porém, amarradas ao tradicional modelo organizativo dos cuidados de saúde primários (CSP), devido a problemas menores. Algumas destas equipas carecem de aprovação para uma ou duas mobilidades (referentes sobretudo a médicos de família), outras têm pequenas obras em curso, ou esperam ainda pelo arranque das mesmas.

A verdade é que face a estes obstáculos é quase certo que nenhum dos projectos arrancará antes de Abril.

Os obstáculos reformistas naquela região do país não se ficam por aqui. Assim, outras seis USF já em funcionamento aguardam ainda por homologação do conselho directivo da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), sem a qual não podem transitar para o modelo B. Sublinhe-se, a propósito, que neste lote se contam duas USF com mais de três anos de modelo A no currículo.

 

Final do 1º semestre de 2012 é prazo limite para solução

José Carlos Alvarenga, da Equipa Regional Apoio (ERA) do Norte, garantiu ao nosso jornal que "existe, realmente, quase uma dezena de USF com possibilidade de iniciar actividade nos próximos tempos", admitindo ainda ser verdade que muitas delas "necessitam que se concretizem mobilidades ou se realizem algumas obras". O mesmo responsável frisa que no caso de determinados grupos, o desenlace desejado por todos só será "possível com o fim do percurso formativo de vários internos do internato complementar, que estão precisamente por estes dias em exame final".

Ainda segundo José Carlos Alvarenga, "é expectável que todas essas USF possam arrancar, no mais tardar, durante este semestre".

 

 

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas