Centro de Tumores Cerebrais da Península de Setúbal
DATA
09/10/2013 11:45:25
AUTOR
Jornal Médico
Centro de Tumores Cerebrais da Península de Setúbal

No próximo dia 12 de Outubro, pelas 10h00, no Departamento de Formação do Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, terá lugar a assinatura do protocolo de colaboração entre os 3 hospitais da Península de Setúbal para a criação de um Centro de Tumores Cerebrais

Versão integral apenas disponível na edição impressa

No próximo dia 12 de Outubro, pelas 10h00, no Departamento de Formação do Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, terá lugar a assinatura do protocolo de colaboração entre os 3 hospitais da Península de Setúbal para a criação de um Centro de Tumores Cerebrais e a formalização da doação de um equipamento de última geração, essencial para o tratamento de excelência da patologia oncológica do sistema nervoso central.

A cerimónia oficial conta com a presença confirmada do Ministro da Saúde, Paulo Macedo.

O HGO, em parceria com o Centro Hospitalar de Setúbal e o Centro Hospitalar Barreiro-Montijo, promove a criação de um Centro de Tumores Cerebrais, com o objetivo de melhorar a qualidade e a eficiência do tratamento dos doentes com neoplasias do sistema nervoso central, pretendendo-se atingir um patamar de excelência na prestação de cuidados a estes doentes. O seu tratamento cirúrgico beneficiará de um novo sistema de imagem e de neuro navegação (Sistema de Imagem O-Arm), que permitirá um rigor operatório acrescido em tumores cerebrais e cirurgias da coluna, através da imagiologia cirúrgica multidimensional, assim como melhorar a precisão na localização dos tumores e na consequente diminuição da morbilidade associada aos atos cirúrgicos para a sua excisão, através do neuro navegador de última linha.

 

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.