Direcção de mestrado de Medicina demite-se
DATA
19/10/2013 10:32:27
AUTOR
Jornal Médico
Direcção de mestrado de Medicina demite-se

Os professores responsáveis pelo mestrado integrado em Medicina da Universidade do Algarve demitiram-se em bloco devido à perda de autonomia nas decisões, confirmou um dos professores

Versão integral apenas disponível na edição impressa

 

Os professores responsáveis pelo mestrado integrado em Medicina da Universidade do Algarve demitiram-se em bloco devido à perda de autonomia nas decisões, confirmou um dos professores.

Os professores tinham agendado para sexta-feira passada, às 14:00, uma conferência de imprensa nas instalações da universidade, mas a reitoria opôs-se à sua realização. As declarações deverão ser feitas à porta da universidade mas, entretanto, o professor Nuno Marques confirmou a demissão em bloco.

Na convocatória para a conferência de imprensa, os professores indicaram que "acusam o reitor, João Guerreiro, de ter acordado com o director do Hospital de Faro, Pedro Nunes, um protocolo que prescinde da autonomia universitária e condiciona a autonomia pedagógica e científica da direcção do curso".

Esses condicionamentos ocorrem, segundo o mesmo comunicado, no "processo de selecção dos oradores convidados, colocando em causa a qualidade da formação ministrada aos seus alunos de medicina".

Em comunicado, o reitor mostrou-se "surpreendido" com a demissão e reiterou o "princípio de autonomia da universidade", defendendo o "reforço do clima de confiança já existente entre as duas instituições (universidade e hospital)".

João Guerreiro garantiu que vai "zelar pelo bom nome da universidade do Algarve, e, em particular, do curso de mestrado integrado de medicina".

O reitor sublinhou ainda que não irá permitir que os "excelentes resultados obtidos até agora sejam postos em causa por elementos da comunidade académica".

O mestrado integrado foi criado há seis anos.

 

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.