Directora demissionária acusa reitor de condicionar "autonomia"
DATA
19/10/2013 10:36:41
AUTOR
Jornal Médico
Directora demissionária acusa reitor de condicionar "autonomia"

A directora demissionária do mestrado de Medicina da Universidade do Algarve acusou o reitor da instituição de "condicionar" a autonomia pedagógica e científica do curso e disse haver "abutres" a quererem mandar na formação


"Dada a inflexibilidade do reitor da Universidade do Algarve e a total rejeição pela parte da direcção do curso de Medicina de uma diminuição da qualidade do ensino ministrado, esta entende que não tem condições para se manter em funções", explicou Isabel Palmeirim, a directora demissionária

Versão integral apenas disponível na edição impressa

 

A directora demissionária do mestrado de Medicina da Universidade do Algarve acusou o reitor da instituição de "condicionar" a autonomia pedagógica e científica do curso e disse haver "abutres" a quererem mandar na formação.

A direcção do Mestrado Integrado de Medicina da Universidade do Algarve demitiu-se em bloco na quinta-feira, após um "longo período de tentativas de resolução da situação", declarou Isabel Palmeirim, durante uma conferência de imprensa realizada sexta-feira à tarde, em Faro, no exterior daquela instituição de ensino superior.

O argumento para apresentar a demissão ao reitor da Universidade do Algarve, João Guerreiro, foi o de que o responsável realizou um acordo com o Centro Hospitalar do Algarve que "condiciona a autonomia pedagógica e científica" daquele mestrado integrado (designação dada ao curso de Medicina).

O reitor da Universidade do Algarve disse aos jornalistas, por seu turno, que o protocolo é o mesmo do passado e que a autonomia pedagógica e científica não está em causa, classificando a demissão como um "flop".

À margem da conferência de imprensa, Isabel Palmeirim recordou à Lusa que quando o curso de Medicina abriu, em 2009, poucas pessoas estavam interessada nele, mas agora, depois de o curso receber boas avaliações, designadamente por parte da Agência de Acreditação do Ensino Superior, os "abutres" - que não especificou - querem mandar nele.

A direcção demitiu-se em bloco por entender que com o referido protocolo "não existe forma de garantir a qualidade de formação dos alunos" e classificou a atitude do reitor como inflexível.

"Dada a inflexibilidade do reitor da Universidade do Algarve e a total rejeição pela parte da direcção do curso de Medicina de uma diminuição da qualidade do ensino ministrado, esta entende que não tem condições para se manter em funções", disse, acrescentando que os demissionários não aceitam cedências que possam colocar em causa a formação dos alunos.

O reitor asseverou, contudo, que "nunca houve qualquer interferência nessa autonomia" e frisou que "todas as iniciativas da universidade em relação ao exterior têm iniciativa da própria universidade".

"Não tenho qualquer argumento para contrapor a isso, porque isso não é verdade", disse, repetindo que o "protocolo é exatamente o mesmo que foi assinado há dois anos com o actual director do Hospital de Faro e há cinco anos com o antigo director".

O curso de Medicina do Algarve tem actualmente perto de 150 alunos e já se formaram 29 médicos desde que abriu, em 2009.

 

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.