Especialista brasileiro alerta para efeitos da crise na saúde dos portugueses
DATA
11/12/2013 11:16:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Especialista brasileiro alerta para efeitos da crise na saúde dos portugueses

[caption id="attachment_5392" align="alignleft" width="300"]manif O problema, afirmou o representante da Fiocruz, é que a OMS não é só o secretariado, é também cada Estado-membro, e alguns deles, os mais poderosos, como os EUA ou a União Europeia, "foram capturados por interesses inteiramente comerciais". Para Paulo Buss, "o modelo económico actual é contra-humano" e é preciso denunciá-lo, criando "um pensamento paralelo, alternativo ao dominante". "Os portugueses têm de lutar contra a ideia de que foram eles que produziram a crise", exemplificou. Questionado sobre se está optimista quanto ao futuro, Paulo Buss concluiu: "Optimista ou pessimista, eu acredito na luta. O importante é permanecer vivo e lutando".[/caption]

O especialista em saúde pública brasileiro Paulo Buss alertou hoje para os efeitos da crise na saúde dos portugueses, que "não são responsáveis" pela situação, afirmando que as consequências "serão tanto piores quanto mais se prolongar a iniquidade".

"Portugal era um exemplo no mundo com o seu sistema de bem-estar. (...) O Brasil olhou muito para o sistema de saúde em Portugal", afirmou o pediatra, que actualmente dirige o Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)/Ministério da Saúde do Brasil.

Em entrevista à Lusa em Lisboa, onde participou no lançamento de um livro sobre a segurança alimentar e nutricional na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Paulo Buss reiterou que a crise económica não foi produzida por Portugal e que os portugueses não precisam de se sentir culpados por ela.

"[A crise] foi produzida pela City de Londres, pelos banqueiros alemães e americanos", mas são as populações, nomeadamente a portuguesa, que sofrem "as consequências da crise criada pelo capital financeiro internacional que não tem pátria e não tem responsabilidade pelas vidas das pessoas", disse.

[caption id="attachment_5394" align="alignleft" width="300"]paulobuss “Portugal era um exemplo no mundo com o seu sistema de bem-estar. (…) O Brasil olhou muito para o sistema de saúde em Portugal”, afirma o pediatra Paulo Buss, Director do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde do Brasil[/caption]

O ex-director da Fiocruz, que é também consultor habitual de organizações internacionais como a Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Panamericana da Saúde e a ONU, alertou que as consequências da crise na saúde já estão à vista e tenderão a piorar à medida que se prolonga a austeridade que retira direitos aos cidadãos.

"A mortalidade infantil já começou a crescer, a expectativa de vida de Portugal vai declinar, a saúde mental dos portugueses que perderem as suas casas e os seus empregos começa a deteriorar-se, é possível que a taxa de suicídio cresça, é possível que apareçam problemas de nutrição", exemplificou.

Mas não são só estas as consequências da crise: "Há outras coisas que a epidemiologia não consegue medir, como qual o grau de sofrimento provocado pela crise".

"A saúde não é só não ter doenças. Se uma pessoa vive com ameaça de perder o emprego ou com o risco de o seu filho perder o emprego, de não ver alternativas na vida do seu neto. Isso dá alguma sensação de bem-estar? Essa pessoa está a viver com saúde só porque não tem cancro?", questionou.

Para Paulo Buss, é preciso "sofisticar o conceito de saúde" e para isso é necessário que a OMS regresse ao conceito que esteve na origem da sua criação e que hoje nega.

"A mesma OMS que no passado disse que saúde é o estado de bem-estar, não está a fazer absolutamente o seu papel de defender o estado de bem-estar, um estado que impeça a redução de emprego e todas as consequências desta crise", lamentou o especialista.

O problema, afirmou o representante da Fiocruz, é que a OMS não é só o secretariado, é também cada Estado-membro, e alguns deles, os mais poderosos, como os EUA ou a União Europeia, "foram capturados por interesses inteiramente comerciais".

Para Paulo Buss, "o modelo económico actual é contra-humano" e é preciso denunciá-lo, criando "um pensamento paralelo, alternativo ao dominante".

"Os portugueses têm de lutar contra a ideia de que foram eles que produziram a crise", exemplificou.

Questionado sobre se está optimista quanto ao futuro, Paulo Buss concluiu: "Optimista ou pessimista, eu acredito na luta. O importante é permanecer vivo e lutando".

JM/Lusa

Redimensionar as listas de utentes e rever a Carreira Médica é um imperativo
Editorial | Jornal Médico
Redimensionar as listas de utentes e rever a Carreira Médica é um imperativo

A dimensão das listas de utentes e a Carreira Médica são duas áreas que vão exigir, nos próximos tempos, uma reflexão e ação por parte dos médicos de família.

Mais lidas