Autarca diz ter garantia do Governo de manutenção da urgência em Macedo de Cavaleiros
DATA
14/01/2014 08:15:34
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Autarca diz ter garantia do Governo de manutenção da urgência em Macedo de Cavaleiros

[caption id="attachment_5783" align="alignleft" width="300"]hospitaldemacedodecavaleiros O autarca social-democrata de Macedo de Cavaleiros divulgou que foi recebido, na semana passada, pelo secretário de Estado da Saúde, Fernando Leal da Costa, que lhe terá deixado “a garantia de que o Governo de Portugal não pretende encerrar, ou, sequer, reduzir o horário de funcionamento da Urgência de Macedo de Cavaleiros”.[/caption]

O presidente da Câmara de Macedo de Cavaleiros, Duarte Moreno, revelou ter a garantia do Governo de que a urgência de Macedo de Cavaleiros “não vai encerrar”.

Autarcas e dirigentes partidários locais têm denunciado, nos últimos tempos, que o Serviço de Urgência Básica (SUB) do hospital de Macedo de Cavaleiros se encontra na lista de serviços a encerrar ou a reduzir no distrito de Bragança.

O autarca social-democrata de Macedo de Cavaleiros divulgou ontem que foi recebido, na semana passada, pelo secretário de Estado da Saúde, Fernando Leal da Costa, que lhe terá deixado “a garantia de que o Governo de Portugal não pretende encerrar, ou, sequer, reduzir o horário de funcionamento da Urgência de Macedo de Cavaleiros”.

“O secretário de Estado Adjunto demonstrou conhecer a importância que o SUB de Macedo de Cavaleiros representa para os utentes do distrito, podendo inclusive verificar-se brevemente um reforço no serviço”, afiançou o autarca.

Duarte Moreno indicou ainda que “o governante afirmou não ter recebido qualquer indicação da ULS Nordeste para encerrar o SUB de Macedo de Cavaleiros”. O autarca referia-se à Unidade Local de Saúde do Nordeste, a responsável por todas as unidades e serviços de saúde nesta região.

O presidente da Câmara de Macedo de Cavaleiros afirmou ter ficado “mais tranquilo” com as garantias avançadas pelo Governo, mas promete que estas não o farão “abrandar o seu trabalho de acompanhamento nesta matéria”.

O autarca social-democrata chegou à presidência em Outubro de 2013 e garante que assumiu “a manutenção dos serviços de saúde no concelho como um assunto primordial”.

Duarte Moreno reconhece “as ameaças que recaem sobre o Serviço de Urgência Básica de Macedo de Cavaleiros e, consequentemente, sobre a Unidade Hospitalar” local, razão pela qual tem mantido - segundo o próprio - “contactos permanentes com responsáveis políticos nacionais, procurando defender os superiores interesses” do concelho.

O SUB de Macedo de Cavaleiros serve, para além da população do concelho, mais de 15 mil habitantes, a totalidade da população do concelho de Alfandega da Fé, aldeias limítrofes dos concelhos de Mirandela, Mogadouro e Bragança, ou seja, um total de mais de 20 mil utentes.

O autarca lembra que “a população do distrito de Bragança é das mais envelhecidas do país, tendo o concelho de Macedo de Cavaleiros a particularidade de conter sete lares de idosos com 286 camas”, realidade que justifica “a necessidade do serviço de urgência de proximidade dada a frequência com que estes idosos recorrem ao serviço”.

“Este envelhecimento populacional remete-nos para a vulnerabilidade, o isolamento, o abandono, insuficientes recursos económicos e ausência de transportes públicos”, acrescentou.

Por todas estas razões, o presidente do município transmontano promete que “não deixará cair este tema no esquecimento, não obstante as garantias deixadas pelo representante do Governo com responsabilidade pela área da Saúde”.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas