Relatório da IGAS: há uma "clara subutilização" de equipamentos de imagiologia
DATA
22/01/2014 13:12:38
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Relatório da IGAS: há uma "clara subutilização" de equipamentos de imagiologia

[caption id="attachment_6098" align="alignleft" width="300"]tac Segundo o relatório, a que a agência Lusa teve hoje acesso, há “uma clara subutilização da capacidade física instalada em matéria de equipamentos imagiológicos, subsistindo margem de progressão/optimização da capacidade instalada”.
Para a IGAS, o nível de produção de exames de imagiologia está mais associado a “condicionamentos de organização”, disponibilidade de pessoal e horários de trabalho, do que à inactividade dos equipamentos[/caption]

A Inspecção-geral das Actividades em Saúde (IGAS) considera que há uma “clara subutilização” de equipamentos de imagiologia em quatro hospitais públicos auditados que impede melhores indicadores de ofertas nessas unidades.

A auditoria da IGAS, que ocorreu no ano passado, abrangeu os centros hospitalares de São João, Universitário de Coimbra, de Lisboa Norte e o Hospital Fernando Fonseca e tinha o objectivo de identificar a capacidade do Serviço Nacional de Saúde em matéria de meios complementares de diagnóstico (exames).

Segundo o relatório, a que a agência Lusa teve hoje acesso, há “uma clara subutilização da capacidade física instalada em matéria de equipamentos imagiológicos, subsistindo margem de progressão/optimização da capacidade instalada”.

Para a IGAS, o nível de produção de exames de imagiologia está mais associado a “condicionamentos de organização”, disponibilidade de pessoal e horários de trabalho, do que à inactividade dos equipamentos.

Contudo, a síntese conclusiva da auditoria refere a existência de equipamentos em uso que ultrapassam ou estão perto do seu final de vida útil, o que “acarreta constrangimentos na sua utilização”.

Outra das conclusões da auditoria aponta para a dispersão de equipamentos, sem que haja uma adequada articulação entre as várias unidades, o que impede que sejam identificadas horas disponíveis para que os equipamentos possam ser usados por outros serviços clínicos.

A IGAS aponta também para a ausência de procedimentos que permitam um efectivo controlo dos tempos de produção ou produtividades dos profissionais.

As conclusões do relatório indicam ainda que as unidades hospitalares desconhecem com rigor a sua capacidade instalada de equipamentos para meios complementares de diagnóstico, como a produção máxima potencial.

Segundo a IGAS, o total do universo hospitalar do Serviço Nacional de Saúde (SNS) apresentava, em Novembro de 2012, 154 milhões de euros de custos com o fornecimento de meios complementares de diagnóstico.

Por favor faça login ou registe-se para aceder a este conteúdo

Sejam Felizes
Editorial | António Luz Pereira, vice-presidente da APMGF
Sejam Felizes

O início de cada ano é também o início do percurso de milhares de novos médicos. A todos, mas especialmente aqueles que como nós escolheram como futuro ser Médico de Família, queremos receber-vos com um desejo e um desafio. Que sejam felizes e façam com que aqueles que se cruzam convosco sejam felizes. Desejamos profundamente que este internato de formação específica em MGF seja um caminho de felicidade. Que se sintam totalmente realizados por terem escolhido a melhor especialidade do mundo. Que sejam felizes no internato, para que possam ser ainda mais felizes fora dele.

Mais lidas