Aumento de mortes por doenças respiratórias desmente ministro, acusa o PS
DATA
30/01/2014 08:07:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Aumento de mortes por doenças respiratórias desmente ministro, acusa o PS

[caption id="attachment_6249" align="alignleft" width="300"]dpoc A deputada socialista Luísa Salgueiro citou dados do relatório anual do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias que apontam para um aumento de 17 por cento em 2012, em comparação com o ano anterior, no número de mortes devido a doenças respiratórias[/caption]

O PS afirma que os mais recentes dados sobre um aparente aumento da mortalidade causada por doenças respiratórias em 2012 contrariam afirmações feitas no parlamento pelo ministro da Saúde e pede-lhe explicações sobre esta matéria.

A deputada socialista Luísa Salgueiro citou ontem dados do relatório anual do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias que apontam para um aumento de 17 por cento em 2012, em comparação com o ano anterior, no número de mortes devido a doenças respiratórias.

"O mesmo relatório indica que, além de 4012 óbitos por cancros da traqueia, brônquios e pulmão, 13908 portugueses morreram por doenças respiratórias, representando um aumento de 16,58 por cento face a 2011. Destas, um terço perdeu a vida devido a pneumonia, representando uma subida de 25 por cento em comparação com o ano anterior", referiu Luísa Salgueiro.

De acordo com a deputada do PS, estes dados contrariam as posições assumidas pelo ministro Paulo Macedo na última audição da Comissão Parlamentar de Saúde, a 22 de Janeiro passado, em que terá defendido uma diminuição em 2013 no número de pneumonias.

"Em que fonte se baseou o senhor ministro para informar a Comissão Parlamentar de Saúde que os casos de pneumonia diminuíram em 2013 ?", questiona Luísa Salgueiro, solicitando ainda a Paulo Macedo que explique "a subida abrupta" registada no número de mortes relacionado com doenças respiratórias.

Uma oportunidade de ouro
Editorial | Nuno Jacinto
Uma oportunidade de ouro

O ano que agora terminou foi sem dúvida atípico, fora do normal e certamente ficará para sempre na nossa memória individual e coletiva. Mas porque, apesar de tudo, há tradições que se mantêm, é chegada a hora de fazer um balanço de 2020 e perspetivar 2021.

Mais lidas