Jornal Médico Grande Público

Investidores institucionais ficam com 39,2% do capital da Espírito Santo Saúde
DATA
10/02/2014 11:51:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Investidores institucionais ficam com 39,2% do capital da Espírito Santo Saúde

[caption id="attachment_6579" align="alignleft" width="300"]isabelvaz A empresa liderada por Isabel Vaz fechou Setembro de 2013 com resultados operacionais de 279,5 milhões de euros e lucros de 9,1 milhões de euros[/caption]

Os investidores institucionais ficaram com 39,2% do capital da Espírito Santo Saúde, após a oferta pública de venda (OPV) de acções ao preço mínimo de 3,20 euros, ficando o público em geral com 9,27%.

Após esta operação, que teve uma procura de 104,9% (pouco acima da oferta), o capital da empresa está agora distribuído da seguinte forma: 39,2% em investidores institucionais, 9,27% no público em geral e 0,53% em colaboradores da Espírito Santo Saúde.

Os restantes 51% pertencem à Espírito Santo Health Care Investments, que assim continua a controlar a empresa.

Na oferta institucional, ficaram com acções 60 investidores, num encaixe de 119,848 milhões de euros, enquanto no público em geral foram 2740 investidores, com um encaixe de 29,962 milhões de euros.

As acções da empresa liderada por Isabel Vaz deverão agora entrar em negociação na bolsa a 12 de Fevereiro, com uma capitalização de cerca de 300 milhões de euros, sendo esperando um ‘free float’ de cerca de 25% do capital.

Fundada em 2000, a Espírito Santo Saúde é um dos maiores operadores de saúde privado português, detendo oito hospitais privados, um deles gerido em regime de Parceria Público-Privada (Hospital Beatriz Ângelo, em Loures), sete clínicas e duas residências sénior, contando com 8.907 funcionários.

A empresa liderada por Isabel Vaz fechou Setembro de 2013 com resultados operacionais de 279,5 milhões de euros e lucros de 9,1 milhões de euros.

 

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas