Investidores institucionais ficam com 39,2% do capital da Espírito Santo Saúde
DATA
10/02/2014 11:51:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Investidores institucionais ficam com 39,2% do capital da Espírito Santo Saúde

[caption id="attachment_6579" align="alignleft" width="300"]isabelvaz A empresa liderada por Isabel Vaz fechou Setembro de 2013 com resultados operacionais de 279,5 milhões de euros e lucros de 9,1 milhões de euros[/caption]

Os investidores institucionais ficaram com 39,2% do capital da Espírito Santo Saúde, após a oferta pública de venda (OPV) de acções ao preço mínimo de 3,20 euros, ficando o público em geral com 9,27%.

Após esta operação, que teve uma procura de 104,9% (pouco acima da oferta), o capital da empresa está agora distribuído da seguinte forma: 39,2% em investidores institucionais, 9,27% no público em geral e 0,53% em colaboradores da Espírito Santo Saúde.

Os restantes 51% pertencem à Espírito Santo Health Care Investments, que assim continua a controlar a empresa.

Na oferta institucional, ficaram com acções 60 investidores, num encaixe de 119,848 milhões de euros, enquanto no público em geral foram 2740 investidores, com um encaixe de 29,962 milhões de euros.

As acções da empresa liderada por Isabel Vaz deverão agora entrar em negociação na bolsa a 12 de Fevereiro, com uma capitalização de cerca de 300 milhões de euros, sendo esperando um ‘free float’ de cerca de 25% do capital.

Fundada em 2000, a Espírito Santo Saúde é um dos maiores operadores de saúde privado português, detendo oito hospitais privados, um deles gerido em regime de Parceria Público-Privada (Hospital Beatriz Ângelo, em Loures), sete clínicas e duas residências sénior, contando com 8.907 funcionários.

A empresa liderada por Isabel Vaz fechou Setembro de 2013 com resultados operacionais de 279,5 milhões de euros e lucros de 9,1 milhões de euros.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas