Vinte anos de sucesso em transplantes hepáticos pediátricos
DATA
14/02/2014 12:08:55
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Vinte anos de sucesso em transplantes hepáticos pediátricos

cirurgia_transplanteA transplantação hepática pediátrica em Coimbra realizou em 20 anos 199 transplantes em 176 crianças, apresentando uma taxa de sobrevida de 85 por cento a longo prazo, disse à Lusa o coordenador da unidade.

A transplantação hepática pediátrica, em Coimbra, assinala sábado 20 anos de existência com a realização de uma gala.

Segundo o coordenador da Unidade de Transplantes Hepáticos Pediátricos e de Adultos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), Emanuel Furtado, filho de Linhares Furtado, médico que realizou o primeiro transplante hepático em Coimbra, esta tem sido uma “experiência bem-sucedida”.

“Vinte anos depois, esta tem sido uma experiência bem-sucedida e neste momento não temos praticamente crianças em lista. Podemos orgulhar-nos dos resultados alcançados”, disse Emanuel Furtado, em declarações à agência Lusa.

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e a Associação Nacional das Crianças e Jovens Transplantados ou com Doenças Hepáticas (Hepaturix) realizam no sábado esta gala de comemoração dos 20 anos de transplantação hepática em Portugal e homenageiam Linhares Furtado, Emanuel Furtado, Isabel Gonçalves e Ana Maria Calvão da Silva. O livro “Maria e Boneca Mimi”, da autoria de Margarida Castelão Dias, será apresentado na mesma gala.

Emanuel Furtado disse também à agência Lusa que a melhoria das condições gerais, na Saúde, tem reduzido o número de crianças obrigadas a transplantes e explicou que a forma de ajudar a compensar esta redução será através da colaboração com os países de língua oficial portuguesa. “Já recebemos crianças de outros países e queremos continuar a fazê-lo”, explicou.

O cirurgião disse ainda ser “inatingível” conseguir uma taxa de sobrevida de 100%, embora esse seja, naturalmente, o desejo do clínico e recordou que, embora seja muito “mais violento” tratar uma criança do que um adulto, a satisfação que gera o sucesso, posteriormente, “é proporcionalmente maior”.

Isabel Gonçalves, que esteve na origem deste centro nacional de transplante hepático pediátrico – as crianças com necessidades de transplantação são todas reencaminhadas para Coimbra -, embora não tenha colaborado fisicamente na primeira intervenção, em 1994, diz que a organização “melhorou bastante” nos últimos anos e também reconheceu que os países africanos de língua oficial portuguesa são uma forma de contornar a redução assumida por Furtado.

O “desafio da próxima década”, salientou Isabel Gonçalves, “são as crianças de África”.

“Ainda somos uma área relativamente nova em Portugal e sentimos, por isso, alguma dificuldade para que se percebam as nossas necessidades, que têm um ‘timing’ e uma validade específicas”, considerou.

 

 

Por favor faça login ou registe-se para aceder a este conteúdo

Sejam Felizes
Editorial | António Luz Pereira, vice-presidente da APMGF
Sejam Felizes

O início de cada ano é também o início do percurso de milhares de novos médicos. A todos, mas especialmente aqueles que como nós escolheram como futuro ser Médico de Família, queremos receber-vos com um desejo e um desafio. Que sejam felizes e façam com que aqueles que se cruzam convosco sejam felizes. Desejamos profundamente que este internato de formação específica em MGF seja um caminho de felicidade. Que se sintam totalmente realizados por terem escolhido a melhor especialidade do mundo. Que sejam felizes no internato, para que possam ser ainda mais felizes fora dele.

Mais lidas