Lista de espera para cirurgia diminui 44% no Centro Hospitalar Tondela - Viseu
DATA
18/02/2014 16:04:38
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Lista de espera para cirurgia diminui 44% no Centro Hospitalar Tondela - Viseu

hospitaldeviseuO presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Ermida Rebelo, avançou hoje que se registou, em dois anos, um decréscimo de 44 por cento do número de utentes a aguardar por uma intervenção cirúrgica.

Este decréscimo de 44 por cento no número de inscritos em lista para cirurgia "é fruto do aumento da actividade cirúrgica e de um expurgo clínico cuidado", explicou.

No seu discurso de tomada de posse, que decorreu ao final da manhã de hoje, Ermida Rebelo congratulou-se ainda por a unidade de saúde que preside ter registado, de 2011 para 2013, um aumento de 35 por cento nos doentes operados em cirurgia convencional e em cirurgia de ambulatório.

Já a mediana do tempo de espera para cirurgia baixou de 6,9 meses para 1,9 meses em dois anos. "Hoje, metade dos utentes inscritos para cirurgia esperam menos de 1,9 meses", realçou.

Na cerimónia de tomada de posse marcou presença o ministro da Saúde, Paulo Macedo, que defendeu que os hospitais públicos podem e devem ser santuários de promoção da saúde.

Ao longo do seu discurso, o representante do Governo realçou que a saúde não tem preço, mas tem custos associados, sendo o maior desafio do sistema de saúde assegurar a sua sustentabilidade.

Aludiu ainda às consequências negativas da crise económica em termos de acessibilidade aos cuidados de saúde, em especial pelos mais idosos e utentes que vivem afastados de zonas mais centrais.

"Cabe-nos não ficar na observação e constatação desta evidência e dar respostas. Temos de ser atores quando o cidadão mais precisa de nós", sustentou.

O conselho de administração do Centro Hospitalar Tondela-Viseu é presidido por Ermida Rebelo e tem como vogais executivos Ruben Tavares e Rui Melo, para além de Helena Pinho como directora clínica e Cassilda Neves como enfermeira directora.

Durante a tarde de hoje, toma posse na Tocha o conselho de administração do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro Rovisco Pais, que é presidido por Victor Lourenço e tem como vogal executiva Maria Graça Gonçalves, Paula Freire como directora clínica e Abel Cavaco como enfermeiro director.

 

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.