FMI: dívidas em atraso na Saúde continuam a acumular-se e comprometem objectivos
DATA
19/02/2014 16:04:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


FMI: dívidas em atraso na Saúde continuam a acumular-se e comprometem objectivos

fmiO Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou hoje que persistem em Portugal "desafios importantes no controlo da despesa e nos pagamentos em atraso", sendo que estes últimos "continuam a acumular-se" sobretudo no sector da saúde, comprometendo o objectivo acordado. Entre os incumpridores, a organização internacional destaca o sector da saúde e neste, os hospitais EPE, com uma dívida em atraso há mais de 90 de quase 3 mil milhões de euros.

"Apesar do progresso visível, os pagamentos em atraso [em falta há mais de 90 dias] continuam a acumular-se, ainda que a um ritmo mais lento, rompendo o objectivo indicativo", lê-se no relatório sobre a décima avaliação ao Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), hoje divulgado.

A 'troika' (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) exige que o valor dos pagamentos em atraso há mais de 90 dias não possa crescer face ao valor registado no final do ano anterior.

O FMI refere que "o problema está sobretudo concentrado em hospitais EPE": no sector da saúde, os pagamentos em atraso passaram dos 2,1 mil milhões de euros em Dezembro de 2012 para os 2,8 mil milhões de euros em Outubro de 2013.

Nas autarquias, o 'stock' total de pagamentos em atraso está a cair, mas "ainda há municípios que continuam a acumular pagamentos em atraso de forma regular, o que sugere que a Lei dos Compromissos não está a ser totalmente implementada", de acordo com o Fundo.

Para responder a este problema, a instituição liderada por Christine Lagarde diz que as autoridades portuguesas acordaram estabelecer uma unidade específica que reporte directamente ao secretário de Estado do Orçamento.

Esta unidade vai "monitorizar a acumulação de pagamentos em atraso em todas as entidades do governo central e em todos os hospitais EPE e fazer recomendações para resolver os restantes problemas técnicos".

Além disso, o FMI refere ainda que, para garantir a sustentabilidade financeira das entidades públicas que continuam a enfrentar desequilíbrios financeiros estruturais, "estão a ser desenvolvidos programas

 

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.