Deputados do PS questionam Governo sobre fecho do Centro de Saúde da Trafaria
DATA
20/02/2014 09:55:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Deputados do PS questionam Governo sobre fecho do Centro de Saúde da Trafaria

sinaletica-centro de saúde arslvtOs deputados do PS eleitos por Setúbal questionaram o Governo sobre o encerramento do Centro de Saúde da Trafaria, em Almada, referindo que o centro de saúde para onde foram deslocados os utentes se encontra "sobrelotado".

Em comunicado, os deputados consideram que, em 2013, no âmbito de Reorganização dos Serviços de Saúde, o Centro de Saúde da Trafaria foi "parcialmente desmantelado, esvaziando os inúmeros serviços prestados à população e colocando o Centro a funcionar apenas das 08:00 às 14:00".

"Deixou de funcionar a consulta de adultos, todos os utentes foram transferidos para o Centro de Saúde da Costa da Caparica, e ficaram apenas a funcionar os serviços de enfermagem para pensos e cuidados de enfermagem primários e o Serviço de Neonatologia para o seguimento de grávidas e crianças", adianta o documento.

Os deputados socialistas acrescentam que também os utentes de utentes de risco, e que necessitam de cuidados diários, e os cidadãos portadores de deficiência transitaram para a Costa da Caparica e que, a 17 de Fevereiro, invocando questões de segurança, nomeadamente um curto-circuito, foram encerradas as instalações da Trafaria.

"A maioria da população abrangida é idosa e tem dificuldades de mobilidade, assim como um nível de rendimentos modesto, o que dificulta a deslocação ao Centro de Saúde da Costa de Caparica, que se encontra sobrelotado com um elevado número de utentes sem médico de família", salienta.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas