Utentes de Santarém reclamam por saúde de qualidade e proximidade
DATA
12/08/2014 11:44:15
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Utentes de Santarém reclamam por saúde de qualidade e proximidade

Hospital Distrital de Santarém 3

O Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) do distrito de Santarém reafirma a intenção de continuar a bater-se por cuidados de saúde de proximidade e qualidade, tendo anunciado a recolha de 400 assinaturas junto da população e profissionais do sector.

Em conferência de imprensa realizada ontem frente ao Hospital de Santarém, o MUSP fez uma análise crítica do actual momento da prestação de cuidados de saúde no distrito e antecipou o que entende ser a "intenção governamental para a redução de cuidados de saúde", reafirmando ainda as suas propostas para o sector no distrito de Santarém.

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz do MUSP disse que "as políticas governamentais continuam a agravar as condições de acesso a cuidados de saúde e aumentam o sofrimento dos utentes", tendo lembrado as acções desenvolvidas nos últimos meses no distrito de Santarém e "chamando à atenção para os graves problemas no acesso a cuidados de saúde, nos hospitais e centros de saúde".

Segundo Manuel Soares, "a situação tem vindo a agravar-se de tal forma que, para além dos protestos dos utentes e os trabalhadores com os seus sindicatos, médicos, enfermeiros, função pública e ordens profissionais, também os autarcas levantam a sua voz face às situações dramáticas que se vão conhecendo".

Como exemplo, apontou as tomadas de posições das Comunidades Intermunicipais da Lezíria e Médio Tejo, que, "face à degradação na prestação de cuidados de saúde, solicitaram reuniões com o ministro da tutela e aprovaram moções e outros documentos rejeitando a Portaria 82/2014, que poderá levar ao encerramento de dezenas de serviços hospitalares".

Manuel Soares disse ainda que "a redução do financiamento das unidades de saúde tem provocado dramáticas carências de recursos humanos" tendo feito notar que "médicos, enfermeiros, técnicos de saúde, administrativos e outros trabalhadores faltam um pouco por todo o lado".

"Se à aplicação da Portaria 82/2014 adicionarmos a ideia de juntar todos os hospitais do distrito numa única entidade, teremos a tempestade perfeita para dificultar de forma dramática o acesso a cuidados de saúde", vincou.

A revogação da Portaria 82/2014, de reclassificação dos hospitais, a manutenção e dinamização das valências da Urgência, Medicina Interna, Pediatria e Cirurgia Geral nos quatro hospitais (Abrantes, Tomar, Torres Novas e Santarém), a articulação dos cuidados de saúde, manutenção das duas maternidades nos hospitais de Abrantes e Santarém, mais médicos e outros profissionais nos centros de saúde e ainda farmácias nos meios rurais e cuidados de saúde de proximidade e qualidade são reivindicações lembradas pelo porta-voz do MUSP.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas