Carência de médicos no Hospital da Feira põe em risco doentes críticos
DATA
26/08/2014 10:28:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Carência de médicos no Hospital da Feira põe em risco doentes críticos

Hospital da Feira

A  coordenação distrital de Aveiro do Bloco de Esquerda (BE) alerta para a «gravíssima» falta de 40 médicos em 14 especialidades do Hospital S. Sebastião, na Feira, o que afecta sobretudo as valência do circuito do doente crítico, que fica assim "comprometido".

Em comunicado, o BE atribui a informação à Ordem dos Médicos, segundo a qual há falta de 40 desses profissionais em 14 especialidades do hospital.

"A Ordem dos Médicos fez uma comparação simples entre o quadro de médicos previstos para este hospital e o pessoal realmente existente", explica o BE. "Concluiu que, entre aquilo que deveria ser o quadro médico e aquilo que realmente existe, faltam 40 médicos".

A situação será ainda "mais preocupante" considerando que a carência desses clínicos se faz sentir "de forma mais evidente nas Urgências, na Unidade de Cuidados Intensivos e na Unidade de Cuidados Intermédios, ou seja, naquelas unidades onde os doentes inspiram mais cuidados e onde os médicos estão sujeitos a maior pressão".

Por esse motivo, o BE realça que "a presidente da Federação Nacional dos Médicos diz que o circuito do doente crítico está comprometido" e provoca uma "situação gravíssima".

"Coloca em causa a vida de doentes urgentes e em estado crítico, que, por falta de médicos, podem ficar sem receber a ajuda e o tratamento de que necessitam", justifica.

Ainda de acordo com o comunicado do BE, nos Cuidados Intensivos deveriam estar ao serviço "sete médicos e estão apenas três", enquanto na Unidade de Cuidados Intermédios deveriam trabalhar "sete e estão apenas dois". No caso das Urgências, "existem internos a assegurar o serviço sem supervisão, o que é frontalmente contrário ao regulamento" do hospital.

O comunicado do partido alerta também para a carência de enfermeiros no mesmo hospital, recordando que ainda recentemente "a directora da Unidade de Cuidados Intermédios apresentou a sua demissão numa carta muito crítica à administração do Centro Hospitalar e à falta de pessoal médico nas Urgências, Unidade de Cuidados Intermédios e Unidade de Cuidados Intensivos Polivalentes".

Segundo o BE, de todas essas carências resulta que "existem doentes a serem reencaminhados diariamente para o Hospital de Gaia porque o S. Sebastião não tem recursos humanos nem materiais para acudir a algumas situações, nomeadamente de cirurgia".

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas