PCP alerta para falta de profissionais e problemas de acesso no CHTS
DATA
12/07/2016 11:33:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



PCP alerta para falta de profissionais e problemas de acesso no CHTS

Hospital_Penafiel

A deputada do PCP, Diana Ferreira, alertou ontem, após a visita aos hospitais de Penafiel e Amarante, para a necessidade de reforço dos quadros de anestesistas e enfermeiros no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, prometendo questionar o Governo.

"Há dificuldades e carências, transversais a todo o país, que residem muito na carência dos profissionais na área da saúde", afirmou. A parlamentar comunista, eleita pelo círculo eleitoral do Porto, defendeu que a contratação de mais profissionais naquelas áreas geográficas poderá melhorar a qualidade dos serviços de saúde prestados à população, salientando que, apesar das dificuldades identificadas, "são unidades recentes do ponto de vista do edificado, com uma boa resposta nos atendimentos aos utentes".

"A ideia que temos quando saímos daqui é que há uma dedicação muito grande dos profissionais de saúde destes hospitais para dar resposta às necessidades da população", comentou Diana Ferreira. Apesar de ter sido aberto concurso para a contratação de três médicos anestesistas, a deputada considera as medidas ainda insuficientes, tendo em conta as necessidades do centro hospitalar: "é um passo, mas não resolve o problema no concreto", declarou.

Quanto aos enfermeiros, a deputada recordou que se os horários dos profissionais forem alargados, ao abrigo dos contratos individuais de trabalho, há que reforçar os recursos humanos. O centro hospitalar conta atualmente com cerca de 550 enfermeiros, metade com contrato individual de trabalho, de acordo com a administração, que também alertou para a falta de pessoal auxiliar.

Em relação aos acessos ao hospital de Penafiel, a deputada referiu a necessidade de intervenção do Governo relativamente à questão do IC35, no estabelecimento de prioridades a nível de construção daquela infraestrutura rodoviária, reclamada há décadas, referindo também a importância de ser criada uma rede de transportes públicos para assegurar melhores ligações aos hospitais, sobretudo para os cidadãos residentes no interior do distrito do Porto mais carenciados.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.