Mais doentes transferidos entre hospitais do SNS para evitar listas de espera
DATA
22/08/2016 10:40:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Mais doentes transferidos entre hospitais do SNS para evitar listas de espera

cirurgia 4

Mais de sete mil doentes foram transferidos entre hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para realizarem a cirurgia de que precisavam em tempo adequado, evitando assim esperas maiores, de acordo com a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

As transferências de doentes entre hospitais do SNS ascenderam a 7.235 até meados de agosto de 2016, valor que, segundo aquele organismo, representa “uma duplicação do fluxo de utentes entre instituições do SNS face ao período homólogo do ano anterior”. Na nota da ACSS pode ler-se que “este aumento surge na sequência da criação do Programa de Incentivo à Realização de Atividade Cirúrgica dentro do SNS, que teve início em maio de 2016, e que conta já com a participação de 62 serviços cirúrgicos de 18 instituições hospitalares do SNS”.

Também foi registado um aumento da produção cirúrgica interna dos hospitais do SNS durante o primeiro semestre de 2016: mais 3,9%. Já a cirurgia de ambulatório cresceu sete por cento em relação ao período homólogo.

O Programa de Incentivo à Realização de Atividade Cirúrgica no SNS visa rentabilizar a capacidade cirúrgica instalada na rede de estabelecimentos públicos e está aberto a todas as instituições hospitalares do SNS que “reúnam condições para responder com eficácia e de forma atempada à população, de forma a cumprir os tempos máximos de resposta garantidos”.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas