Há cerca de 80 reumatologistas em oito hospitais para assistir 60% da população
DATA
29/11/2016 18:12:08
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Há cerca de 80 reumatologistas em oito hospitais para assistir 60% da população

Dados de um estudo da Sociedade Portuguesa de Reumatologia divulgadas esta manhã dão conta de um total de 80 reumatologistas distribuídos por oito hospitais públicos para dar assistência a cerca de 60% da população portuguesa.

A análise, denominada de Rheuma SPACE, denuncia ainda a falta de serviços de Reumatologia em centros hospitalares de grande dimensão.
Segundo o estudo, os oito maiores serviços de Reumatologia do país servem uma população de quase seis milhões de pessoas e são compostos por 80 reumatologistas, 20 internos e 30 enfermeiros, que em conjunto produziram mais de 105 mil consultas num só ano (tendo como referência o ano de 2014).
Além de especialistas de Reumatologia, o estudo demonstrou que faltam também enfermeiros exclusivamente alocados à especialidade.
Outra das conclusões exibe áreas do país “muito carenciadas na oferta de prestação de cuidados adequados a doentes reumáticos”, sobretudo tendo em consideração que cerca de metade da população portuguesa sofre de pelo menos uma doença reumática.
De acordo com as declarações de uma das responsáveis pelo Rheuma Space, Carla Macieira, o Alentejo é a área do país com maior carência, não estando coberta por serviços desta especialidade, sendo os doentes referenciados para outras unidades do país.
O Algarve dispõe de apenas um serviço de Reumatologia, em Faro, com um número muito reduzido de profissionais, segundo a mesma médica.
Alguns centros hospitalares de grande dimensão também não dispõem de Serviços de reumatologia, como o Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca, que abrange os conselhos da Amadora e de Sintra, o Centro Hospitalar de Lisboa Central, o Hospital de Cascais, o Centro Hospitalar do Porto ou o Hospital da Senhora da Oliveira, em Guimarães.
No entanto, no local onde há serviços de Reumatologia, 80% desses doentes garantem estar satisfeitos com o atendimento prestado, embora demonstrem preocupação com as condições físicas dos serviços (gabinetes e salas de espera).

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas