Madeira: Administração do Serviço Regional de Saúde demite-se
DATA
29/12/2016 15:51:25
AUTOR
Jornal Médico
Madeira: Administração do Serviço Regional de Saúde demite-se

O Conselho de Administração (CA) do Serviço Regional de Saúde da Madeira (SESARAM) apresentou ontem a demissão, na sequência da indigitação do médico Pedro Ramos para secretário regional, avançou à agência Lusa a sua presidente.

Maria João Monte apresentou as razões para a renúncia dos três membros do CA numa carta ontem entregue à tutela, na sequência do anúncio feito na terça-feira pelo executivo madeirense de que o médico Pedro Ramos seria o novo secretário regional da Saúde, substituindo João Faria Nunes que deixa o cargo, alegadamente, por razões de saúde.
A primeira razão passa "pelo histórico de convivência, que ficou marcado por alguns episódios", entre o CA e Pedro Ramos, enquanto este era o diretor clínico do SESARAM, que levaram "a pensar que o CA poderá ficar comprometido nas suas qualidades, competências e capacidade de atuação, colocados ao serviço da prestação de cuidados de saúde da região", afirmou a responsável, alegando ainda que o CA a que presidia "era uma escolha do anterior secretário regional", sendo, portanto, "elementos da confiança do secretário cessante, pelo que é também natural que o novo secretário possa ficar liberto para escolher a sua própria equipa".
Maria João Monte diz mesmo que os membros do CA "têm exercido cargos diversos na administração pública, "tendo-se habituado a níveis de performance" que, com a atual alteração, poderá ficar "prejudicada".
Por último, desejou “felicidades aos elementos que venham a ser indigitados", pois considera "ser fundamental existir coesão entre a tutela e o SESARAM para a estabilização do setor da saúde, a bem de todos".

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas