Presidente da República: “Saúde necessita de políticas de médio e longo prazo”
DATA
29/12/2016 16:03:10
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Presidente da República: “Saúde necessita de políticas de médio e longo prazo”

O Presidente da República (PR) defende a necessidade de existirem em Portugal consensos explícitos nos sistemas sociais, argumentando que a Saúde e a Segurança Social (SS) precisam de políticas de médio e longo prazo.

"Trata-se de domínios em que não pode haver mudanças significativas de Governo para Governo, de legislatura para legislatura. A sustentabilidade, quer da SS, quer do Sistema Nacional de Saúde (SNS), exige uma visão de médio e longo prazo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.
"E por isso é importante haver consensos", adiantou o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas, à margem do 5.º fórum anual dos Graduados Portugueses no Estrangeiro, que decorreu em Coimbra. Questionado pela agência Lusa sobre se a dificuldade dos consensos é ideológica, o PR disse que "durante muito tempo a questão da Saúde era muito ideológica, está a deixar de ser e isso é bom", acrescentando que a SS também foi alvo de "debates ideológicos muito intensos" no passado. Neste caso,"está a deixar de ser [uma questão ideológica] mas ainda existe uma clivagem", reconheceu.
No discurso que ontem dirigiu a cerca de 150 cientistas e investigadores nacionais sedeados no estrangeiro Marcelo Rebelo de Sousa disse que ainda há em Portugal dificuldades para formular "consensos explícitos" nas áreas dos sistemas sociais, mas revelou uma "teoria" sua sobre a existência de consensos "implícitos" na área da Saúde.
"Se hoje se pedisse a um Governo de várias colorações para dizer o que mudava, podia haver pequenas divergências em termos do papel do setor privado, do setor público, do setor social. Mas no fundamental há uma estabilização em termos de consenso implícito sobre a Saúde", argumentou o PR. "Isso é positivo, só que não é explícito. E como não é explícito, perde-se um bocadinho a vantagem que o ser explícito implicaria", alegou Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando que o mesmo acontece no domínio da SS e "por vezes" na Educação.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas