PSD preocupado com falta de médicos no SNS
DATA
30/12/2016 11:40:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


PSD preocupado com falta de médicos no SNS

O vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, Miguel Santos, manifestou, ontem, a preocupação do seu partido com a falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e anunciou que vai questionar o Governo sobre os concursos para a contratação de clínicos.

"Pretendemos que o Governo explique de que forma é que estão a ser feitos os concursos e quantos médicos é que são contratados, porque existe um agravamento constante da incapacidade da resposta hospitalar", avançou à agência Lusa o deputado.
Na opinião de Miguel Santos, "os problemas no SNS têm sido constantes e agravam-se dia após dia, devido à ausência de uma política do Governo para a área da saúde, com desinvestimento que reduzem a capacidade de autonomia e gestão" dos hospitais. "São situações que não se podem tolerar, porque são inadmissíveis num país civilizado", destacou o parlamentar.
De acordo com Miguel Santos, o PSD vai apresentar "na sexta-feira [hoje] ou no início da próxima semana, um documento para exigir respostas ao Governo, sobre a forma de como estão a ser efetuados os concursos e a contratação de médicos".
A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) tem a decorrer até ao próximo dia 2 de janeiro, um concurso para a contratação de 349 médicos para as áreas hospitalar e de saúde pública. Segundo a informação no site da ACSS, das 40 especialidades identificadas, as áreas de Medicina interna, Pediatria e Anestesiologia são as que apresentam o maior número de vagas disponíveis.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas