ARS garante que centros de saúde de Aveiro estão preparados para a gripe
DATA
03/01/2017 10:05:20
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


ARS garante que centros de saúde de Aveiro estão preparados para a gripe

A Administração Regional de Saúde do Centro garantiu hoje que a rede de cuidados primários de Aveiro está preparada para atender casos de gripe e infeções respiratórias.

"A região de Aveiro tem a funcionar diariamente, a nível da rede de cuidados de saúde primários, uma vasta oferta de consultas não programadas (consulta aberta) para atendimento de situações de doença aguda, como a gripe ou a infeção respiratória", sublinha a ARS do Centro em nota de imprensa.

A garantia é dada pelo presidente da Administração Regional de Saúde do Centro após se ter deslocado a Aveiro, para se inteirar da capacidade de resposta dos serviços de saúde, no âmbito do Plano de Contingência para as Temperaturas Extremas Adversas (PCTEA) - Módulo Frio.

Acompanhado pela administração do Centro Hospitalar Baixo Vouga, José Tereso visitou o Serviço de Urgência do Hospital Infante D. Pedro e, posteriormente, esteve no Centro de Saúde de Aveiro, onde contactou com as equipas de serviço para atendimento de casos de doença aguda.

No decurso das visitas, o presidente da ARSC "registou a efetiva articulação existente entre os cuidados de saúde primários (CSP) e hospitalares em Aveiro, no âmbito do Plano de Contingência".

"É necessário insistir, junto da população, dos utentes das unidades de saúde dos cuidados de saúde primários e dos doentes que vão à urgência do hospital sem necessidade, que deve ir ao seu centro de saúde em caso de doença aguda", sublinhou José Tereso.

O responsável da ARS do Centro salienta que os cuidados hospitalares "devem ser reservados para os casos mais graves e de maior complexidade no seu tratamento".

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas