Mais de 80 médicos internos em formação no Centro Tâmega e Sousa
DATA
05/01/2017 11:08:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Mais de 80 médicos internos em formação no Centro Tâmega e Sousa

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), com unidades em Penafiel e Amarante, anunciou ontem que 82 médicos internos iniciaram a sua formação, esta semana, nos dois hospitais.

Sessenta e sete médicos são internos do ano comum e 15 são internos de especialidade, distribuídos pelas valências de Anestesiologia, Cardiologia, Cirurgia, Ginecologia/Obstetrícia, Medicina Interna, Patologia Clínica, Pediatria e Ortopedia, acrescentou fonte do centro hospitalar.

Os clínicos foram recebidos no auditório do Hospital Padre Américo, em Penafiel, onde ficaram a conhecer os diferentes serviços apresentados pelos respetivos diretores.

Segundo o CHTS, o número de médicos em formação no conjunto das duas unidades tem aumentado nos últimos anos.

Em 2015, participaram 51 internos do ano comum e 13 de especialidade. Em 2016, o CHTS recebeu 60 internos de ano comum e 15 de especialidade.

Recorde-se que em dezembro havia sido anunciado que o orçamento do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa vai ser reforçado este ano, com uma dotação adicional de 4,2 milhões de euros, o que permitirá contratar mais profissionais.

Fonte daquele centro hospitalar avançou que se prevê contratar este ano 40 assistentes operacionais, um avanço que se junta a outro já concretizado, que permitiu celebrar contratos de trabalho definitivos com 24 enfermeiros que já prestavam serviços.

Os profissionais agora contratados vieram reforçar as equipas de enfermagem dos serviços de cirurgia, medicina, obstetrícia, ortopedia, urgência e urologia.

Em setembro de 2016, tinham sido contratados 18 médicos especialistas de diversas áreas e outros 18 para apoiar áreas mais desfavorecidas.

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa compreende as unidades hospitalares de Penafiel (Padre Américo) e de Amarante, cobrindo os 12 concelhos do território, num universo populacional de cerca de 550.000 pessoas.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas