Identificadas mutações que podem definir grau de agressividade do cancro da próstata
DATA
10/01/2017 09:29:40
AUTOR
Jornal Médico
Identificadas mutações que podem definir grau de agressividade do cancro da próstata

Cientistas identificaram mutações genéticas que podem determinar o grau de agressividade e a capacidade de propagação do cancro da próstata. A informação foi ontem divulgada pela revista Nature Communications.

A deteção destes marcadores poderá levar à descoberta de subtipos de cancro, o que será útil para desenvolver tratamentos específicos para cada caso, assinalou a equipa de investigadores, liderada por Robert Bristow, da Universidade de Ontário, no Canadá.

O grupo estudou 200 sequências de genomas completos de tumores de cancro da próstata localizados e a análise revelou diferenças nos perfis de mutação entre o cancro da próstata localizado de risco intermédio e o cancro da próstata avançado e metastático.

Segundo os investigadores, "estas diferenças podem proporcionar a base para selecionar a linha apropriada de tratamento em diferentes casos", muito embora sejam necessários mais estudos.

Numa outra investigação, igualmente dirigida por Robert Bristow, os cientistas estudaram os fatores determinantes da agressividade num tipo de cancro da próstata, definido por mutações do gene BRCA2, que costuma estar ligado ao cancro da mama.

Ao analisarem o genoma dos tumores de 14 doentes com cancro da próstata BRCA2 mutante, os investigadores descobriram alterações num dos genes que, em estudos anteriores, foram associados a metástase (disseminação de células cancerígenas), acreditando que estas alterações possam estar ligadas a uma maior agressividade dos tumores.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas