Identificadas mutações que podem definir grau de agressividade do cancro da próstata
DATA
10/01/2017 09:29:40
AUTOR
Jornal Médico
Identificadas mutações que podem definir grau de agressividade do cancro da próstata

Cientistas identificaram mutações genéticas que podem determinar o grau de agressividade e a capacidade de propagação do cancro da próstata. A informação foi ontem divulgada pela revista Nature Communications.

A deteção destes marcadores poderá levar à descoberta de subtipos de cancro, o que será útil para desenvolver tratamentos específicos para cada caso, assinalou a equipa de investigadores, liderada por Robert Bristow, da Universidade de Ontário, no Canadá.

O grupo estudou 200 sequências de genomas completos de tumores de cancro da próstata localizados e a análise revelou diferenças nos perfis de mutação entre o cancro da próstata localizado de risco intermédio e o cancro da próstata avançado e metastático.

Segundo os investigadores, "estas diferenças podem proporcionar a base para selecionar a linha apropriada de tratamento em diferentes casos", muito embora sejam necessários mais estudos.

Numa outra investigação, igualmente dirigida por Robert Bristow, os cientistas estudaram os fatores determinantes da agressividade num tipo de cancro da próstata, definido por mutações do gene BRCA2, que costuma estar ligado ao cancro da mama.

Ao analisarem o genoma dos tumores de 14 doentes com cancro da próstata BRCA2 mutante, os investigadores descobriram alterações num dos genes que, em estudos anteriores, foram associados a metástase (disseminação de células cancerígenas), acreditando que estas alterações possam estar ligadas a uma maior agressividade dos tumores.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas