2017 eleito Ano Global Contra a Dor Pós-Cirúrgica
DATA
11/01/2017 15:24:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


2017 eleito Ano Global Contra a Dor Pós-Cirúrgica

A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED), capítulo português da International Association for the Study of Pain (IASP) comemora amanhã o início do Ano Global Contra a Dor Pós-Cirúrgica amanhã, evento que terá lugar no Auditório do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca (HFF), na Amadora.

A IASP, numa iniciativa concertada com a European Pain Federation (EFIC), nomeia, todos os anos, um tema específico no âmbito do Ano Global contra a Dor, tendo sido atribuído para 2017 o tema “Dor Pós-Cirúrgica”.

Na cerimónia de comemoração do Ano Global Contra a Dor Pós Cirúrgica irá ser apresentado o plano de iniciativas e de atividades a desenvolver em 2017 em torno deste tema. A APED dará também a conhecer a 2ª edição do Prémio de Fotografia intitulado “Viver sem dor”, assim como tornar público os vencedores das bolsas de apoio à formação e investigação na área da dor.

Segundo a IASP mais de 80% dos pacientes submetidos a cirurgia relatam dor no pós-operatório, manifestada como um conjunto de experiências sensoriais, emocionais e mentais desagradáveis que desencadeiam diferentes respostas físicas e comportamentais no ser humano. O tratamento da dor aguda de pós-operatório facilita o processo de recuperação, minimiza o sofrimento do doente e evita a cronicidade da dor. Estima-se que cerca de 30% dos doentes submetidos a cirurgia apresentem dor crónica desta origem.

De acordo com a presidente da APED, Ana Pedro, pretende-se com esta iniciativa chamar a atenção para o impacto da dor no indivíduo e na sociedade, particularmente no que diz respeito à dor pós-cirúrgica, desmistificando caminhos e mostrando alternativas e soluções para o seu tratamento.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas