Instituto Ricardo Jorge investe 2,3 ME na requalificação de infraestruturas e equipamentos
DATA
19/01/2017 14:09:58
AUTOR
Jornal Médico
Instituto Ricardo Jorge investe 2,3 ME na requalificação de infraestruturas e equipamentos

O Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge anunciou hoje que vai realizar até ao final deste ano obras de requalificação de várias infraestruturas e equipamentos laboratoriais, num investimento de cerca de 2,3 milhões de euros.

Um comunicado do instituto refere que parte significativa, cerca de 1,2ME, deste investimento será aplicada na instalação de um novo sistema de informação para a gestão de processos e procedimentos laboratoriais, garantido através do Sistema de Apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA 2020), cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

O novo sistema será responsável por todo o ciclo de gestão laboratorial, desde o atendimento do utente/cliente, receção e processamento de amostras laboratoriais ou de investigação, até à faturação e gestão de indicadores de performance.

O instituto adianta ainda que está também prevista a requalificação do Laboratório Nacional de Referência de Infeções Gastrointestinais e do Laboratório Nacional de Referência de Resistência aos Antibióticos e Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde, com um investimento de 300 mil euros, assim como a aquisição de equipamento para ensaios de diagnóstico por sequenciação de nova geração (NGS).

Na área das infraestruturas, serão aplicados 800 mil euros em obras de requalificação dos alçados no edifício-sede em Lisboa, substituição total da rede interna de gás natural e substituição da rede de abastecimento de água, assim como a intervenção estrutural nas instalações decorrentes do projeto de medidas de autoproteção, tendo em vista a melhoria das condições de segurança e resposta às situações de emergência.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas