SMZS contesta escolha de administradora do Centro Psiquiátrico de Lisboa
DATA
20/01/2017 10:35:46
AUTOR
Jornal Médico
SMZS contesta escolha de administradora do Centro Psiquiátrico de Lisboa

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) contestou ontem a escolha de Teresa Sustelo para a administração do Centro Psiquiátrico de Lisboa, lembrando a sua demissão do Hospital de São José na sequência da morte de um jovem em 2015.

“O facto de ter sido ontem [quarta-feira] publicado em Diário da República o despacho de nomeação da nova administração do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa não constituíra nenhum acontecimento invulgar se a pessoa nomeada para presidir a este órgão não fosse a mesma que se demitiu em dezembro de 2015 na sequência da morte de um jovem no Hospital de São José devido à inexistência de equipa neurocirúrgica durante um fim de semana”, refere o Sindicato num comunicado ontem divulgado.

Um despacho publicado na quarta-feira anunciou a nomeação da ex-administradora do Centro Hospitalar de Lisboa Central, substituindo Isabel Paixão no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa.

“Quem se demitiu por graves ocorrências verificadas numa unidade hospitalar passou a estar novamente em condições de gerir, ao fim de um ano, uma outra unidade que possui uma elevada especificidade?”, questiona o Sindicato dos Médicos da Zona Sul.

Os sindicalistas consideram ainda que, com a passagem dos meses, se está a assistir a um “progressivo desnorte da gestão deste Ministério [da Saúde]”, apontando para a falta de medidas para resolver problemas concretos e para uma atividade ministerial reduzida a “mera difusão de anúncios”.

Além disso, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul lamenta que se verifique o que considera ser “um agravamento dos critérios de nomeação política que eram praticados com a equipa ministerial anterior”.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas